Páginas

Pesquisar este blog

EI VOCÊ VENHA SEGUIR TAMBÉM!

quinta-feira, 1 de setembro de 2016

O QUE APRENDI COM DILMA ROUSSEF

Por Hellen Taynan
 
 Sempre me foi peculiar reconhecer no outro tudo aquilo que pode me fazer crescer. Hoje eu venho reunir aqui o que já tenho publicado em poucas linhas nas redes sociais: minha admiração à resiliência da ex-presidenta Dilma Roussef. E esse é um artigo diferente dos que você está habituado a ler acerca do processo dúbio que cercou o impeachment. 

Diferente porque eu não votei em Dilma. Tenho críticas duras ao PT. Eu não votei em Dilma, mas mais de 50 milhões de brasileiros, sim! Logo, não me apetece fazer birra contra alguém que eu não votei. Eu aprendi sobre democracia ainda criança, bem como a aceitar o que é da vontade da maioria. Além do que, o governo é pro povo. O povo soltou Barrabás e condenou Jesus. Foi o povo quem elegeu Dilma. O povo deixou o PT por 14 anos no poder.

Mas esse é um artigo de reconhecimento! De força. De garra de uma mulher que não titubeou. Não se abateu. Não renunciou. Enfrentou de cabeça erguida e olhou os olhos de todos os algozes que desejavam sua cabeça em uma bandeja.


No lugar dela, quantos dos que me leem, sejam homens ou mulheres teriam a mesma coragem? Collor, temendo o inevitável, recuou e tentou renunciar. Não foi possível e amargou uma dupla derrota: uma de ordem política e outra de ordem moral, porque não teve a bravura de enfrentar a derrota. Porque no âmago de sua consciência, pesava a traição que ele cometera ao povo e a ele mesmo.

Não obstante o fato da força de Dilma, registro a nítida percepção da injustiça cometida daqueles que votaram a favor pela cassação do mandato da presidente. Eles não suportaram o peso que os acusava e a fim de aliviar as costas da culpa, num ato de afronta a constituição, desvincularam a segunda frase que o ônus do impeachment acarreta e preservaram os direitos políticos a Dilma. E então, assistimos aos mesmos senadores que se mostravam tão afiados em matéria constitucional, ir contrários a uma medida já prevista.

E Dilma forte. Como muitos dizem, coração valente! Talvez menos subjetivo e mais literal que destaca a sobriedade dela durante todo o processo.

Sim, Dilma! Você me representa! Não só a mim, como a muitos dos que se dizem seus inimigos, mas não têm 1/3 de sua força. A sua atuação me encheu de orgulho de ser mulher. Sua postura mostra que a resiliência, além de necessária é possível. E é possível passar de cabeça erguida diante dos que te acusam, porque se a tua consciência não pesa, não há fardo que te imponham que vá te fazer recuar.

Obrigada, Dilma.

2 comentários:

antonio sergio pinho disse...

Não acredito no que li.
Pensei que ia deparar com uma cultura que somasse e você vem comparar Dilma com Jesus Cristo?
Defrontando Dilma e Coillor vemos duas situações bem distintas.
Collor, mesmo renunciando foi cassado.
Dilma não renunciou porque havia um conchavo entre Lewandowski, Renan e Cardoso dando-lhe uma polpuda aposentadoria e deixando todos os seus direitos políticos inalterados.
Dilma, a coisa, assim como seu criador deveriam ser extirpados da política e do nosso país.
Um pouquinho de leitura e ciência política, não deixariam você fazer tal insinuação.
Por favor poupe-nos.

Marcelo disse...

Eu lamento essa defesa de Dilma Rousseff num blog cristão. Lamento.

NÃO PARE AQUI VÁ PARA OS TEXTOS MAIS ANTIGOS.