VISITE OS BLOGS DESSE PESSOAL, DIVULGUE E VENHA SEGUIR TAMBÉM

PARA ACHAR UM ASSUNTO ESCREVA A PALAVRA AQUI

Carregando...

terça-feira, 26 de agosto de 2014

ATEUS E ATEUS

Por Olavo de Carvalho

 
Há dois tipos de ateus: os que não acreditam que Deus existe e os que acreditam piamente que Deus não existe. Os primeiros relutam em crer naquilo de que não têm experiência. Os segundos não admitem que possa existir algo acima da sua experiência. A diferença é a mesma que há entre o ceticismo e a presunção de onissapiência. 

Acima da distinção de ateus e crentes existe a diferença, assinalada por Henri Bergson, entre as almas abertas e as almas fechadas. Vou explicá-la a meu modo. Como tudo o que sabemos é circunscrito e limitado, vivemos dentro de uma redoma de conhecimento incerto cercada de mistério por todos os lados. Isso não é uma situação provisória. É a própria estrutura da realidade, a lei básica da nossa existência. Mas o mistério não é uma pasta homogênea. Sem poder decifrá-lo, sabemos antecipadamente que ele se estende em duas direções opostas: de um lado, a suprema explicação, a origem primeira e razão última de todas as coisas; de outro, a escuridão abissal do sem-sentido, do não-ser, do absurdo. Há o mistério da luz e o mistério das trevas. Ambos nos são inacessíveis: a esfera de meia-luz em que vivemos bóia entre os dois oceanos da claridade absoluta e da absoluta escuridão.

O simbolismo imemorial dos estados "celestes" e "infernais" demarca a posição do ser humano no centro do enigma universal. Essa situação - a nossa situação - é de desconforto permanente. Ela exige de nós uma adaptação ativa, dificultosa e problemática. Daí as opções da alma: a abertura ao infinito, ao inesperado, ao heterogêneo, ou o fechamento auto-hipnótico na clausura do conhecido, negando o mais-além ou proclamando com fé dogmática a sua homogeneidade com o conhecido. A primeira dá origem às experiências espirituais das quais nasceram os mitos, a religião e a filosofia. A segunda leva à "proibição de perguntar", como a chamava Eric Voegelin: a repulsa à transcendência, a proclamação da onipotência dos métodos socialmente padronizados de conhecer e explicar. 

A religião é uma expressão da abertura, mas não é a única. A simples admissão sincera de que pode existir algo para lá da experiência usual basta para manter a alma alerta e viva. É possível ser ateu e estar aberto ao espírito. Mas o ateu militante, doutrinário, intransigente, opta pela recusa peremptória do mistério, deleitando-se no ódio ao espírito, na ânsia de fechar a porta do desconhecido para melhor mandar no mundo conhecido. 

Dostoiévsky e Nietzsche bem viram que, abolida a transcendência, só o que restava era a vontade de poder. Aquele que proíbe olhar para cima faz de si próprio o topo intransponível do universo. É uma ironia trágica que tantos adeptos nominais da liberdade busquem realizá-la através da militância anti-religiosa. As religiões podem ter-se tornado violentas e opressivas ocasionalmente, mas a anti-religião é totalitária e assassina de nascença. Não é uma coincidência que a Revolução Francesa tenha matado dez vezes mais gente em um ano do que a Inquisição Espanhola em quatro séculos. O genocídio é o estado natural da modernidade "iluminada".

terça-feira, 12 de agosto de 2014

ADORAÇÃO NO ANTIGO TESTAMENTO


Por Joelson Gomes

Texto Base: Sl. 96

Texto áureo: Sl. 95. 6.

Objetivo da lição: Ao término da lição o aluno deverá conhecer os termos usados para adoração, compreender sobre o desenvolvimento da prática, e refletir sobre princípios atemporais da adoração na Antiga Aliança que podem ser aplicados hoje.

A Bíblia na semana

Seg. Sl. 149
Ter. 2Cr. 5. 2-14
Qua. Êx. 3. 1-6
Qui. Is. 1. 10-17
Sex. Is. 58. 1-12
Sáb. Sl. 150
Dom. Sl. 96


INTRODUÇÃO

O tema da adoração no Antigo Testamento aparece desde seus capítulos iniciais, já com os primeiros filhos do primeiro casal temos a noção de oferecer sacrifícios em adoração ao Senhor (Gn. 4). O povo de Israel foi chamado para ser um povo adorador no Antigo Testamento, a finalidade de Deus tirar o povo da escravidão era para que este povo reunido em uma grande assemble
ia o “servisse” (adorasse) (Êx. 7.16; 8.20). Deus criou as pessoas para Sua glória e é assim que se deve viver (Is. 43.7).
Mas, se o Antigo Testamento fala de adoração, como era esta adoração? Seria como eu penso? Tenho o conceito correto sobre ela? O que as pessoas fazem hoje na maioria das igrejas e eventos ditos cristãos pode ser comparável a adoração descrita nesta primeira parte da Bíblia?
Esta lição se propõe a lidar com o tema adoração de forma a oferecer elementos para que você possa ao fim do estudo ter pistas para responder as perguntas feitas acima. Tome uma posição confortável porque o assunto é ótimo.

I- Conhecendo algumas palavras hebraicas.
Quando pensamos na adoração no Antigo Testamento existem alguns termos hebraicos fundamentais que precisamos conhecer, aliás, a definição das palavras é de importância crucial para que entendamos sua função e conteúdo.

a) Hishahawah. Esta palavra significa literalmente “curvar-se”. O uso dela enfatiza a posição correta do adorador, na qual deve chegar diante da divindade. “O significado pleno da palavra se vê quando empregada em referência a um hebreu que se achega a Deus em total reverência, reconhecendo-o como o grande Rei e Senhor soberano (Gn 24.52; 2Cr 7.3; 29.29)" (Ralph P. Martyn. Adoração na Igreja Primitiva, p. 18).

b) Abodâh. Aqui temos outro termo muito importante. É traduzida como serviço e vem da mesma raiz de “ebed”: servo, escravo. O homem temente a Deus no Antigo Testamento se deleitava em ser chamado servo dEle (veja Sl. 116.16). Vale notar que esta palavra não significava ser rebaixado, cativo, mas tem a conotação de relacionamento entre o Senhor bondoso e seu servo (Êx. 21.1-6). Por isso os grandes líderes são chamados “servos de Deus” (Sl. 89. 3, 20).

c) Sachah. Este vocábulo significa prostrar-se, curvar-se (Lv. 26.1; Sl. 99.5),  dando com isso a entender uma atitude de total reverência.
Quando se observa com atenção as palavras usadas para o adorador e o ato de adorar no Antigo Testamento, vemos que a pessoa é convocada a comparecer diante de Deus e deve atender este chamado em total reverência (veja Sl. 42; 43; 65; 84; 122).

II- Desenvolvimento da prática da adoração no período antigo.

Durante todo tempo as páginas do Antigo Testamento notamos uma evolução na prática da adoração. Observe: 

a) Adoração primitiva. O primeiro registro de culto que temos está em Gênesis 4.1-7. Ali os dois irmãos Caim e Abel vão juntos prestar culto ao Senhor. E aqui Antônio Neves Mesquita faz uma observação importante; ele supõe que a oferta de Caim foi rejeitada porque não foi acompanhada de um espírito de adoração, mas ele estava apenas se conformando com a tradição familiar. Caim traz apenas dos frutos, não há especificação; Abel traz do melhor do rebanho, aqui há especificação. Caim é superficial, cumpre sua religiosidade. Abel dá o melhor, intenso, homem de fé (Hb. 11.4), é adorador (Estudo no Livro de Gênesis, pp. 114-116).

Nesta cena quem vai oferecer os sacrifícios são os próprios sacrificantes, não existe sacerdote intermediário, é tudo muito simples. Nos inícios da adoração no Antigo Testamento é sempre assim, há uma grande ênfase na adoração doméstica, é o pai de família quem invoca Deus, constrói altares, oferece sacrifícios (Gn. 8.20; 12.7; 26.25; 35. 1; Êx. 17.15). Esta adoração doméstica, mesmo depois da construção do Tabernáculo não perece, a Páscoa que a família israelita celebrava em casa é seu exemplo (Êx. 12), mas a ênfase vai recair na adoração coletiva.

b) Adoração coletiva. O povo saiu da adoração particular para o culto coletivo no templo, com muito simbolismo e liturgia rebuscada (1Cr. 29. 20-36; Sl. 42.4). A construção da Tenda da Congregação estabelece todo um sistema de adoração coletiva. Este sistema comportava:

1- Sacerdotes. Estes agiam como intermediários entre o povo e Deus (Êx. 28);
2- Sacrifícios. Desde o começo os holocaustos faziam parte da adoração bíblica. O livro de Levítico divide-os em diversas categorias (Lv. 1-6).
3- Festas. A adoração do povo quase toda se concentrava em torno de grandes festas (Lv. 23). Nestes dias todos os fieis deveriam se apresentar diante de Deus com ofertas apropriadas; ninguém deveria ir a presença do Senhor de mãos vazias (Dt. 16. 16-17). O sistema de culto visto no Tabernáculo e depois no templo restringia a adoração a um lugar (templo), e a uma casta de pessoas (sacerdotes), mostrando com isso a imperfeição que permeava aquela dispensação (não se assuste dispensação é termo bíblico (Ef. 3.2)). O autor de Hebreus diz que tudo aquilo tinha prazo de validade, e acabaria quando Cristo, a realidade que cumpriu aqueles símbolos chegasse (Hb. 8-10).

c) Adoração na sinagoga. Quando o povo do Reino do Sul foi levado ao cativeiro para a Babilônia (o Reino do Norte já havia ido para a Assíria (2Rs. 17; 25)) perdeu seu templo, seu centro de culto. Então desenvolve-se nesta situação as sinagogas, casas de instrução da Lei do Senhor, onde o povo se reunia mesmo no exílio para estudar a Lei e adorar a Deus (veja André Paul. Judaísmo Tardio, p. 170). O povo a terra, perde a liberdade, mas não perde a adoração, ela é essencial na vida e é Deus quem o exige.

III- Princípios de adoração do Antigo Testamento.

É claro que a adoração do Antigo Testamento estava carregada de coisas que foram postas “até ao tempo oportuno de reforma” (Hb. 9.10). “Quando, porem, veio Cristo como sumo sacerdote dos bens já realizados” (Hb. 9.11), o que estava envelhecido e prestes a desaparecer, passou (Hb. 8. 13), mas a tudo subjaz alguns princípios atemporais que queremos observar.

a) A adoração deve ser verdadeira. Sim, no Antigo Testamento Deus deve ser adorado do mais profundo do coração (Abel e sua fé), e não religiosamente apenas (Caim e seus frutos). Os profetas condenavam veementemente o formalismo religioso (1Sm. 15.22). A aparência vazia é recusada (Dt. 6.5; Is. 1. 10-17; 58; Ml. 1), e a retidão do povo é exigida (Am. 5. 24-27).

b) A Adoração deve ser só a Deus. O texto áureo do povo do Antigo Testamento, os Dez Mandamentos, começa com a ordem expressa: “Não terás outros deuses diante de mim” (Êx. 20. 3).  A idolatria, o ato de colocar qualquer coisa no lugar, ou ao lado de Deus é expressamente condenada (Êx. 20.4-6; 1Rs. 13. 1ss; 14. 7ss; 18; Am. 4. 15; Os. 8.1; Mq. 5. 13ss).

c) A adoração deve ser sacrificial. O princípio do sacrifício: substituição pelo pecado, ou oferta pacifica está estabelecido no culto do Antigo Testamento. Ninguém se aproximava de Deus a seu bel prazer, o sacerdote era o intermediário para oferecer sacrifícios pelos pecados do povo, bem como ofertas de adoração (Lv. 1-6). O grande cume da adoração nacional era o Dia da Expiação nacional (Lv. 16), onde o sumo sacerdote entrava no Santo dos Santos, oferecendo um sacrifício por ele, e depois no Propiciatório (a tampa da Arca da Aliança), oferecia um sacrifício pelo pecado nacional. Os pecados devem ser expiados para se chegar a presença de Deus.
  
*Os dois altares. O caminho entre o altar do holocausto e o altar do incenso (adoração) era salpicado com sangue do sacrifício. Sem o sangue do holocausto ninguém chegaria ao altar do incenso. Este belo símbolo mostra que a adoração tem que ser sacificial; só adora (altar do incenso) quem já foi aspergido com o sangue (altar do holocausto). Deus só aceita adoração de quem já foi lavado; culto só faz quem já foi purificado. Quem é convertido encontrou não um altar, mas dois altares, em um está a sua purificação, no outro a sua adoração (veja Sl. 84. 3).

d) A adoração deve ser reverente. Moisés quando teve uma visão de Deus na Sarça foi advertido que até as sandálias tirasse (Êx. 3.1-5). No Sinai, o povo na presença de Deus não podia se aproximar do monte, e o temor tomou conta de todos (Êx. 19. 16-25; 20. 18-19). No Tabernáculo e no Templo só os sacerdotes oficiavam e o manuseio dos objetos era para ser feito com o máximo de cuidado. A presença de Deus sempre resulta em temor e prostração (1Rs. 18. 38-39; 2Cr. 7.1-3; Sl. 95. 6; Is. 6. 1-5). O adorador ao aproximar-se da Majestade divina deve fazer sabendo onde está pisando, ali é lugar sagrado (Ec. 5. 1-20).

e) A adoração deve ser alegre. A reverência não exclui alegria. Não se pode confundir reverência com morte, formalismo, frieza. O culto no Antigo Testamento tinha muita movimentação, festa. O povo tocava, cantava, dançava, se alegrava na presença de Deus (2Sm. 6; Sl. 95. 1-7; 100; 150). Os Levitas eram encarregados da execução do canto e de tocar os instrumentos (1Cr. 15.16; 16.4-6; 2Cr. 5. 12-14). O culto deve ser celebrativo, e exultante.

f) A Santa Convocação deve ser respeitada. Todo povo tinha o dever de atender as “santas convocações” de Deus para coletivamente se unirem em adoração (Lv. 23). Do mesmo jeito que a adoração particular tinha importância na vida deles, a adoração coletiva, no Tabernáculo ou Templo, não poderia ser descuidada. Uma não eliminava a outra. Quanto mais contrito com sua família o homem fosse, mais deveria se unir aos outros na adoração.

CONCLUSÃO

Nossa rápida analise da adoração no Antigo Testamento, mesmo eivada pelas enormes limitações deste autor, nos abre os olhos para muitas coisas a respeito deste tema. As palavras usadas demonstram a atitude de respeito e reverência que todos devem ter para com Aquele que chama desde o principio (começando com a primeira família da terra) adoradores. Encontramos todo tipo de adoração (particular, coletiva) fazendo parte da vida as pessoas naquela época, e princípios eternos são extraídos da maneira como Deus organizou sua adoração.
A adoração bíblica tem o padrão de Deus, não se deve as preferências do adorador, mas as diretrizes divinas. Assim, não está baseada nas emoções (ainda que emotiva) do ser humano, mas na sadia Teologia de quem conhece a Deus e a Sua palavra.
Precisamos hoje moldar nosso culto ao culto bíblico e creio que aqui tivemos muitos princípios a serem seguidos em nossas vidas particulares e em nossas igrejas.

Aprofundando.

1- Como você entende o culto?
2- Você acha que o que estudamos da adoração no AT pode ajudar? Em que?
3- Cite 03 características que vimos na adoração do AT.
4- Deus aceita culto de quem não é convertido?

__________________________________
Lição publicada na revista "Adoração, o serviço sacerdotal da Igreja", da Aliança Congregacional. Pedidos: alianca.b@hotmail.com

quarta-feira, 30 de julho de 2014

A TRIQUETRA É DO CAPETA?



Triquetra
Por Joelson Gomes


O CONTEXTO- Às vezes um simples símbolo causa muita  polêmica. Recentemente uma denominação mudou o seu símbolo porque achavam que o mesmo contradizia a Bíblia. Pois é, a Igreja Presbiteriana do Brasil em sua última reunião de lideres tirou a pomba do seu logotipo. Outro caso é o da Aliança das Igrejas Evangélicas Congregacionais do Brasil onde em seu último Concilio Nacional um novo símbolo foi apresentado, mas causou tanto alvoroço entre pastores que está às portas de também ser trocado. Que símbolo é este? É a Triquetra.
 A polêmica toda surgiu porque muitos disseram que este sinal era usado pelos adeptos da Nova Era. Pois bem vamos aos fatos.

O SÍMBOLO- A Triquetra é um símbolo anterior ao Cristianismo então se é usado pelos partidários da Nova Era, também era usado pelos da "antiga era". Alguns dizem que sua origem é celta, mas não há certeza para isso. O que se sabe é que é um símbolo muito antigo e usado por muita gente e com muitos significados. O símbolo é usado pelos cristãos para representar a Trindade e também é usado em religiões pagãs como o Wicca. Ora, dirão alguns, "aí está, não podemos usar isso, é símbolo pagão". Será que o fato de um símbolo ser usado por uma religião ou um grupo qualquer fora do Cristianismo faz do mesmo coisa imprestável que não pode ser usado pelos cristãos? Bem, vamos com calma.

Símbolo Rosa-Cruz
O USO DOS SÍMBOLOS- É fato que muitos símbolos em si são dinâmicos e neutros, pode se dar aos mesmos o significado que se quiser. O contexto, o tempo, a cultura são fatores determinadores de seus significados. Diversos símbolos conhecidos são usados pelos mais diversos grupos que se apropriam e dão aos mesmos os mais diversos sentidos. Senão veja:
     
Cruz no circulo sinal de Baal, 1.300 a. C.
     a) A Cruz- Este é um símbolo muito usado pelos cristãos em geral. Para muitos a cruz é sem sombra de dúvida um sinal do cristianismo e pronto. As igrejas evangélicas ou católicas romanas estão cheias de cruzes. Mas, muitos se surpreenderiam se soubessem que nem sempre foi assim. No começo da Igreja Cristã a cruz não era usada como designativo cristão e era até desaconselhado fazer uso dela. E também este sinal não foi inventado pelos cristãos, mas a cruz nas mais diversas formas, tem seu uso vindo de tempos muito antigos em diversas culturas, crenças e religiões com o significado de boa sorte e coisas mais. Os Celtas já usavam a cruz muito tempo antes do Cristianismo como símbolo da fertilidade. Quem não conhece a famosa Cruz Celta? Desde 1.300 antes de Cristo já se tem desenho da cruz como sinal do deus sol Baal (veja imagem a direita).  No Império Romano a cruz era um instrumento de execução e não símbolo religioso dos seguidores do Cristianismo. Os Rosa-Cruzes, por exemplo, usam hoje a cruz no seu emblema e tantos seguidores do ocultismo também fazem uso dela. Será que isso faz da cruz  um símbolo pagão?
Pomba na bandeira da Umbanda

    b) A pomba- Para muitos cristãos a pomba é símbolo do Espírito Santo. Mas, a Umbanda hoje usa a pomba no centro da sua bandeira como seu símbolo. E a Nova Era usa a pomba com um ramo no bico como sinal da Era de Aquário, uma era de paz.



Dagon deus-peixe
    c) O peixe- Antes de usarem a cruz os cristãos primitivos usavam o peixe como seu símbolo de identificação. Mas os antigos inimigos de Israel, os Filisteus, tinham um deus chamado Dagon que era representado como deus-peixe desde os tempos do Antigo Testamento.

      d) Triângulo- Este é um instrumento que todo mundo tem no seu carro e usa-o em momentos de perigo na estrada quando o carro tem problemas. O triângulo serve a muitos crentes. Mas também este sinal é muito usado para invocação de divindades pagãs, e em muitos lugares é o símbolo da deusa tripla.
Poderia se multiplicar aqui tantos símbolos usados por tantas culturas e religiões, mas estes já bastam. O centro do argumento aqui é que os símbolos sempre foram e serão usados na história da humanidade com significados variados. Um mesmo signo que significa uma coisa numa cultura ou religião, significa outra coisa bem diferente em outra cultura ou religião. Os cristãos devem deixar de usar um símbolo qualquer destes porque um grupo diferente está usando com outro sentido? Claro que não. Pois, se fosse assim não usaria mais símbolo nenhum.

Triquetra na capa da Bíblia King James
A TRIQUETRA- A Triquetra tem seu uso tão difundido no meio cristão que a encontramos em capas de livros e até de Bíblia, como da famosa King James (veja imagem ao lado). O seu uso maior é sempre para representar o Pai, o Filho e o Espírito Santo (a Trindade), uma busca rápida em livro que fale sobre símbolos ou na internet servirá para comprovar isso. 

Logo, o que se tem no meio evangélico é muita superstição e saliva gasta com coisas que não merecem tanta atenção quanto outras, que infelizmente nem se fala. Em muitas igrejas se diz do púlpito e se faz no culto coisas que fariam corar os anjos. As "liturgias" de certas igrejas tem tantos elementos estranhos no que chamam de culto que usar um símbolo ou não, não fará a menor diferença. Temos hoje "culto de aniversário de pastor, de casamento, etc", grupos dança gospel com meninas e meninos efeminados se requebrando durante o que chamam de culto para o povo aplaudir, músicas antibíblicas cantadas a três por dez, profetadas, gritarias. Falta reverencia, o povo sabe de nada de doutrina porque os líderes sabem menos ainda. Não existe Escola Dominical, e quando existe é uma lastima usando revista de neopentecostal. 

 Mas, muitos preferem "coar um mosquito e engolir gigantescos camelos". Já dizia o profeta "não há nada há de novo debaixo do sol", e o Mestre não havia falado disso (Mt 23.24)?

segunda-feira, 28 de julho de 2014

NOTAS SOBRE O CONFLITO NO ORIENTE MÉDIO QUE A "SUA' REDE GLÓBULO NÃO MOSTRA

Por Felipe moura Brasil

* O título do artigo é do autor deste blog: Joelson Gomes


Escrevi há cinco anos e meio, em 15 de janeiro de 2009:



“Antigamente, o manual de jornalismo ensinava que, quando o cão morde o homem, não há notícia, mas, quando o homem morde o cão, sim. Agora, quando as Farc mordem a Colômbia ou quando o Hamas morde Israel, não há notícia (imaginem – que porre! – noticiar a mesma coisa 1.386 vezes em 8 meses), mas quando a Colômbia ou Israel reagem, sim, claro, “que absurdo”! “Pouco importa” – para lembrar Ricardo Noblat no caso Colômbia X Farc* – que o país seja vítima constante de ataques homicidas. Seu exército não deve reagir em hipótese alguma e, ao ver seu agressor proteger-se atrás de seu (dele) filhinho – em vez de escondê-lo – para transformá-lo em mártir no jornal de amanhã, todo soldado deve baixar as armas, retornar a seu país e aguardar em silêncio por mais 1.386 foguetes na cabeça de seus próprios filhos.”

Em fevereiro daquele ano, citando um conto infantil da Alemanha nazista em que um jovem chamado Franz é ensinado a considerar os judeus “o cogumelo venenoso da humanidade”, Diogo Mainardi também escreveu:

A paz no Oriente Médio depende, antes de tudo, do reconhecimento de Israel. Os palestinos precisam rejeitar a ideia mais monstruosa de todos os tempos: a de que um judeu é um cogumelo venenoso. Um cogumelo venenoso que tem de ser erradicado.

O que mudou nos últimos cinco anos? Nada. O que mudará nos próximos cinco? Nada, provavelmente. Mas agora, pelo menos, o porta-voz do Hamas, Sami Abu Zuhri, confessou em entrevista à Al-Aqsa TV que o Hamas adota a prática dos escudos humanos e, pior do que isso, faz dela uma política oficial, como noticiou Reinaldo Azevedo.

Entrevistador – As pessoas estão adotando o método dos escudos humanos, que foi bem-sucedido nos tempos do mártir Nyzar Rayan…
Porta-voz – Isso comprova o caráter dos nossos nobres, dos nossos lutadores da Jihad. São pessoas que defendem seus direitos e suas casas com o seu corpo e com o seu sangue. A política de pessoas que enfrentam aviões israelenses de peito aberto, a fim de proteger as suas casas, provou ser eficaz contra a ocupação (israelense). Além disso, essa política reflete o caráter dos nossos bravos, que são pessoas corajosas. Nós, do Hamas, convocamos o nosso povo para que adote essa política, a fim de proteger as casas palestinas.

A confissão do Hamas apenas confirma a veracidade das palavras do primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netenyahu (em tuíte e vídeo) sobre a diferença moral entre ambos os lados:

Israel Frase Netanyahu


“Nós desenvolvemos sistemas de defesa contra mísseis para proteger nossos cidadãos, enquanto eles usam seus cidadãos para proteger seus mísseis. E isto é o que faz toda a diferença.”


Se alguém ainda precisa de desenho, temos os cartoons de Mike Smith de 2008 e 2012:

Se alguém precisa de vídeo, temos legendado o de Dennis Prager de 2014 (original aqui).
[Em suma, como também já sintetizou Benjamin Netanyahu: "Se o Hamas abrir mão do conflito armado, a guerra estará extinta. Se Israel o fizer, Israel estará extinto."]

Se alguém precisa de desenho animado, temos ainda este de 2013:

Também é comum, aliás, que os pais palestinos mandem seus filhos provocarem os soldados israelenses – treinados para não reagir – e os filmem fazendo isso para depois espalharem pelo mundo a imagem de truculência do inimigo. É o mesmo recurso – conforme já mostrei aqui - usado por militantes de extrema-esquerda como Sininho, que, por ora, felizmente está presa.

Nas últimas semanas, aconteceu o de sempre – que pode ser sintetizado nessas imagens:

adolescentes-israelenses-sequestrados-size-598Israel jovens caixão israel-bombardeia-gaza30062014-size-598

A última imagem foi feita logo após os caças de Israel despejarem bombas sobre a Faixa de Gaza em retaliação à morte dos três jovens israelenses: Naftali Frenkel e Gilad Shaer, de 16 anos, e Eyal Yifrach, de 19. O alvo?

Captura de Tela 2014-07-16 às 16.13.40

“Israel alveja os terroristas do Hamas. Em contraste, o Hamas alveja civis israelenses enquanto se esconde atrás de civis [palestinos].”

É verdade que colonos judeu, em represália à morte dos três israelenses, sequestraram e mataram um adolescente palestino, como numa espécie de justiçamento brasileiro. Mas sabe o que aconteceu com eles? Foram presos, é claro. Se fosse ao contrário, nem preciso dizer que os autores do crime seriam os “bravos, nobres e corajosos” heróis do Hamas.
 
Captura de Tela 2014-07-16 às 15.06.47 

Israel Hamas ChargeO Hamas chegou a disparar 1.200 foguetes contra Israel em uma semana, a maioria deles interceptada pelo sistema antimísseis israelense, batizado de “Domo de Ferro”. Quando alguém alega que, de um lado há 1 israelense morto, do outro 190 palestinos, é preciso ter em mente esta óbvia diferença: enquanto Israel defende seu povo dos ataques do Hamas, o Hamas usa os palestinos de escudo humano contra as reações da vítima – escondendo inclusive armamentos e lançadores de foguetes entre a população civil, por vezes em escolas e hospitais -, para que até a matemática lhe favoreça na guerra propagandística de narrativa. Vai ver é isto que Jandira chama de “população desarmada, assassinada, humilhada”. Tudo isso pelo Hamas, é claro. Como reiterou o embaixador de Israel no Brasil, Rafael Eldad, em entrevista ao UOL:


“[O] Hamas está atacando civis israelenses, está utilizando seus cidadãos como escudos humanos. Israel está usando armas para proteger a vida. Eles estão usando vidas para proteger as armas ou o arsenal terrorista. (…) Eles têm, na sua instituição, [o objetivo] de matar todos os israelenses, os judeus. (…) Se o Hamas quer ver uma possibilidade de um acordo, ele tem de reconhecer a existência de Israel e deixar totalmente o caminho do terrorismo e da violência e desmantelar todo o seu armamento. Há quase dez anos, Israel deixou toda a Faixa de Gaza. Os palestinos tiveram uma oportunidade de ouro de criar uma pequena Cingapura. E o que fizeram? O único que fizeram foi acumular e acumular um arsenal de mísseis.”

O Hamas rejeitou a iniciativa egípcia de cessar-fogo dessa semana, que havia sido aceita por Israel, e as hostilidades continuam a todo vapor.

Captura de Tela 2014-07-16 às 15.06.23

“Nenhum outro país vive sob tamanha ameaça. Israel não vai tolerar os disparos de foguetes contra nossas cidades e vilas.”

Mas não posso negar que Jandira é sincera quando diz que “Nós não podemos ter omissão diante de… extermínio de povo nenhum em nenhum lugar do mundo”. Seu partido, que idolatra Lenin, Stalin, Mao e Fidel, de fato nunca se omitiu quanto a extermínios protagonizados pela extrema-esquerda e seus aliados. De um jeito ou de outro, sempre ficou ao lado dos exterminadores. Com o Hamas, não haveria por que ser diferente.
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
NÃO PARE AQUI VÁ PARA OS TEXTOS MAIS ANTIGOS.