EI VOCÊ VENHA SEGUIR TAMBÉM!

PARA ACHAR UM ASSUNTO ESCREVA A PALAVRA AQUI

quarta-feira, 4 de março de 2015

POR UMA NOVA DANÇA

 Por Carol Gualberto


Parece que foi ontem. A dança chegando tímida ao espaço eclesial, procurando um cantinho nos púlpitos das igrejas, mas, antes de tudo, buscando um lugar no corpo de cada cristão que se arriscava a assumi-la em contexto tão “puritano”. Os anos voaram e vivemos um outro extremo: púlpitos-palcos, inúmeros ministérios de dança com uma enorme quantidade de participantes que se atrevem a se apropriar dessa arte e criar uma “teologia” à parte, feita de modismos e bizarrices.

Quem me conhece, sabe da minha posição contrária ao rumo da dança dentro da igreja evangélica. A confusão doutrinária, teológica, litúrgica, espiritual que vivemos hoje “colaborou” para que surgisse e se fortalecesse esse “movimento” de reivindicação do lugar da dança na Igreja e da criação de conceitos em dança, sem fundamentação bíblica. Deixo claro que não quero uniformizar um pensamento; nunca foi meu objetivo nem acredito nisso. Porém, não compactuo com a baderna no mau uso de textos bíblicos e o “achômetro” de alguns.

O mais importante aqui, entretanto, é ressaltar que, até pouco tempo atrás, essa reflexão seria direcionada apenas aos que participam dos ministérios de dança. Hoje, com o “boom” do gueto gospel, dirijo-me a todos nós, plateia e -- por que não? -- consumidores, uma vez que escolhemos e adquirimos produtos artísticos.

Muitos de nós têm deslumbrado-se com essa “onda da dança” e engolido espetáculos, apresentações, DVDs, oficinas etc. sem o exercício da avaliação a partir do crivo do evangelho. Com o surgimento de grupos de destaque, que têm infraestrutura e elenco com boa técnica, a coisa piora! Acostumados a ver uma dança “mais ou menos” feita em nome de Deus e a não questioná-la, nem hesitamos em consumir quando há produção e bons bailarinos. O critério não pode ser “tem boa técnica versus não dança bem”. O grande problema é o que está por trás da “dança da igreja evangélica”. Minha questão aqui é mais teológica e bíblica do que qualquer outra coisa.

Estamos distantes do evangelho de Cristo, inclusive a dança que produzimos. Isso se revela na sua falta de relevância e na “teologia da dança”, criada a partir das loucuras em nome de Deus e de um mercado gospel que, à medida que o consumimos, nos consome também. Não sou contra a dança entre os cristãos evangélicos, mas estou cansada da “dança dos cristãos evangélicos”.

Qual é a fundamentação da “dança gospel”? Por que e para quê uma “dança gospel”? Nosso Cristo viveu “no” mundo, sem ser “do” mundo. Nosso Mestre era parte do povo dele, confundia-se com ele e, dessa forma, tornava sua mensagem ainda mais relevante. Bastaria sermos, portanto, de fato e em tudo, cristãos, e nossa dança, como consequência da nossa liturgia diária, seria coerente com o evangelho. Seria bonita de se ver, forte contra o sistema “do” mundo, e -- por que não? -- necessária e fundamental para o pleno estabelecimento do reino. Sejamos criteriosos, em nome de Cristo, por uma nova dança, por um movimento novo.

________________________
 
Carol Gualberto é coreógrafa da UFMG e membro da Comunidade Presbiteriana Central em Belo Horizonte, MG, é cantora e tem três cds gravados cujas capas ilustram este texto.

Nenhum comentário:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
NÃO PARE AQUI VÁ PARA OS TEXTOS MAIS ANTIGOS.