EI VOCÊ VENHA SEGUIR TAMBÉM!

PARA ACHAR UM ASSUNTO ESCREVA A PALAVRA AQUI

segunda-feira, 28 de outubro de 2013

A CENTRALIDADE DE CRISTO NA ÉPOCA DA REFORMA E HOJE.

Por Joelson Gomes

Lutero defende-se diante dos Católicos Romanos.


Mateus 18. 20.





  • Introd. Falar de Cristo é falar da razão da existência do mundo (Jo. 1: 1-3) e do centro da igreja. Sem Ele não existiria nada, nem universo, nem igreja. Cristo está na origem de tudo e na preservação e sustentação de tudo (Hb. 1: 1-3). Nele nos movemos, Nele nos movemos, vivemos e existimos (At. 17: 28). 
  • Dar atenção a Cristo hoje é urgente pelo que foi feito do culto do que se chama igreja.  É oportuno parar para pensar em Cristo hoje, e é o que vamos tentar fazer a partir de uma perspectiva histórica e bíblica. Espero sinceramente incomodar você. 



I-                   A CENTRALIDADE DE CRISTO NA REFORMA.



a)      É impossível abordar tudo o que se disse ou se escreveu sobre Cristo no momento da Reforma. Basta dizer que a Reforma ou as Reformas só aconteceram em diversas partes da Europa, porque alguns homens foram direcionados para a Bíblia e ali viram a centralidade de Cristo frente ao sistema sacramental da Igreja Romana da época. E aí foi por entender que Cristo era suficiente que se levantaram contra tal sistema. Quem foram eles? Vamos aos mais importantes.



1-      Ulrich Zwuinglio, o reformador da Suíça, e pai da tradição reformada. Para ele Cristo era a pedra de toque na qual tudo deveria ser testado. Ele disse que enquanto estava envolvido com várias linhas de pensamento, sem saber a quem seguir e o que era o certo, sentiu Deus lhe dizer: “louco, não vos lembrais de que a tal se refere: o Verbo do Senhor veio para habitar para sempre entre os homens?”. Assim, para ele era a partir do Verbo de Deus, a Luz do mundo que tudo deveria ser provado.



2-      Martinho Lutero, o grande reformador alemão fez do centro de sua teologia Cristo. A sua teologia era feita na seguinte perspectiva, Cristo era ao mesmo tempo o Senhor e centro das Escrituras. O que quer que fosse que não ensinasse algo a respeito de Cristo, que conduzisse a Cristo, para ele não era apostólico. A leitura das Escrituras deveria ser feita na perspectiva do Christum tribet (inculcar Cristo, enfatizar Cristo). Tudo que passasse disso ele não aceitava.



3-      João Calvino, o maior teólogo da reforma entendia o ser humano como totalmente depravado e dependente de Cristo. Nada que ele fizesse poderia lhe dar a salvação, assim Cristo deveria ser central na vida da igreja. O único jeito de restaurar a pura doutrina seria colocar Cristo no meio, diante dos olhos de todos. Cristo era tão importante que para ele mesmo se não tivéssemos pecado, pela fraqueza de nossa condição humana precisaríamos de Cristo como mediador entre nós e Deus. Foi Calvino através de suas meditações e estudos acerca de Cristo quem sistematizou a doutrina dos ofícios de Cristo: profeta, sacerdote e rei. 






II-                A CENTRALIDADE DE CRISTO NA IGREJA HOJE (Mt.18:20).



·         A Reforma trouxe Cristo para o centro da história e da vida cristã, e a igreja hoje, o que tem feito de Jesus chamado Cristo? O texto base lido acima tem muito a nos dizer. Preste atenção. Cristo está falando da reunião dos cristãos e para isso Ele aqui diz o que não é essencial e o que é essencial para que esta reunião seja cristã.



1-      O que não é essencial:



a)     O lugar. Veja que Ele diz que pode ser onde for. Isso está de acordo com Jo. 4: 21-24.



*Quantos estão mais preocupados com o ambiente?



b) O número: veja que Ele usa um número muito irrisório, dois ou três. Mostra com isso que uma grande quantidade de pessoas não é o essencial para um culto.



2-      O que é essencial.



a) Cristo no centro. Veja a fraseologia usada por Cristo: reunidos em /para (gr. eis) o meu nome. Ou seja, a reunião aponta para algo, aponto para uma pessoa, e é Cristo, o nome dEle. Essa é a condição para que Ele esteja na reunião, ou melhor, no meio da reunião. Ele tem que ser e que ser o centro da reunião.



*Quantas reuniões são feitas em torno de pessoas, ou eventos?



*Quantos tem ido a reunião por causa de Cristo?



*Quantas reuniões tem como centro o templo ou o calendário de avisos?









CONCLUSÃO.



  • Na época da reforma Cristo foi trazido para o centro do culto pelos reformadores, porque sabiam que sem Ela nada somos.

  • A Igreja hoje perdeu Cristo de vista e ou traz Ele para o centro ou seus cultos serão apenas mais um ajuntamento, longe do motivo principal, mortos.


Nenhum comentário:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
NÃO PARE AQUI VÁ PARA OS TEXTOS MAIS ANTIGOS.