Páginas

Pesquisar este blog

EI VOCÊ VENHA SEGUIR TAMBÉM!

segunda-feira, 21 de setembro de 2009

MISSA DO GALO; NÉLIDA PINÕN E MACHADO DE ASSIS


O conto Missa do Galo de Machado de Assis foi publicado em 1863, em 1869 foi recolhido no volume Páginas Recolhidas[1]. Este conto recebeu um novo olhar de outros escritores brasileiros[2]entre eles Nélida Pinõn cuja releitura é o objeto desta análise.
O conto de Nélida Pinõn é narrado em primeira pessoa por Menezes (Chiquinho), o marido de Conceição. A ação se passa em um curto espaço de tempo, uma parte de uma noite. Tem como assunto as reminicências em uma noite de Natal de um homem de meia idade[3], o Menezes, que à mesa com a família medita sobre a brevidade de sua vida, passando um pouco de sua história a limpo. Ele reflete sobre o pouco tempo que lhe resta ara viver: “o tempo esgota-se sem cerimônias”, sua família e negócios, bem como seu caso amoroso extraconjugal e sua queda por mulheres. Ele chega a admitir: “Sou o primeiro a aceitar que muito excedi-me no trato com as moçoilas...”. O tema central da trama é a vida familiar de um homem que sente que pouco tempo lhe resta para viver. A idéia que a leitura de tal história nos transmite é a de que quando o ser humano sente que não tem muito tempo de vida, passa a procurar viver o pouco tempo que lhe resta de uma maneira que possa desfrutar cada momento, mesmo que esse prazer não seja da maneira mais certa. Se lança numa busca desenfreada pela vida. O Menezes parece ter um desejo imenso de aproveitar seus dias nos braços de Pastora, a amante, a corre atrás de outras mulheres em um desejo forte de conquistas: “ciente do quanto os dias se encurtam, lanço-me agora, e com mais desenvoltura, aos gostos que se provam nestas desventuras”.

Nélida Pinõn

Escrevendo usando um estilo parecido com o autor original, assumindo traços do seu estilo numa espécie de pastiche,
[4]Nélida usa o recurso da intertextualidade fazendo referências diretas ao conto de Machado. Os personagens de Machado aparecem na obra de Nélida: Menezes, seu hóspede o jovem Nogueira, parente de sua primeira esposa, a esposa Conceição, que em Machado parece ser uma mulher sedutora, mulher que deixa Nogueira encantado, sabe-se se lá se por sua pouca idade, dezessete anos, trazendo-lhe sensações: “Pouco a pouco, tinha-se inclinado; fincara os cotovelos no mármore da mesa e metera o rosto entre as mãos espalmadas. Não estando abotoadas, as mangas, caíram naturalmente, e eu vi-lhe metade dos braços, muitos claros, e menos magros do que se poderiam supor. A vista não era nova para mim, posto também não fosse comum; naquele momento, porém, a impressão que tive foi grande... Há impressões dessa noite, que me aparecem truncadas ou confusas. Contradigo-me, atrapalho-me”. Em Nélida esta mulher é apresentada como quase desinteressante, Menezes chega a dizer: “E não é feia, a minha Conceição. Ocorre apenas que os mesmos encantos que em outra mulher reluzem firmemente, nela, por mistério que não explico, simplesmente empalidecem...Se ao menos Conceição soubesse sorrir!” Motivo que o Menezes apresenta como desculpa para seus casos. Voltam a aparecer no conto de Nélida, D. Inácia e o escrevente juramentado da empresa de Menezes. Ela também faz referência aos romances Três Mosqueteiros e A Moreninha como no texto de Machado. Nélida vai além ao fazer uma apresentação mais longa de Pastora, do escrevente juramentado e de Nogueira. Este faz perguntas ao Menezes sobre sua mulher, elogia a mesma, parece ter cuidados com ela. Em Machado este homem se casa com Conceição no final quando ela fica viúva de Menezes. Aí se entende as várias referências do Menezes no conto de Nélida para com a brevidade da vida e o pouco tempo que ele acha que lhe resta a viver. E também pode está aí o motivo para a construção da seguinte frase que Nélida coloca na boca de Menezes acerca de seu escrevente juramentado: “Adivinha-me ele as fraquezas”. Ironia da autora? Ele viria a casar com Conceição. Na história de Machado, Menezes sai de casa para seu encontro amoroso de sempre, Nélida o faz dizer que este encontro será com um vizinho. Já no texto de Machado quem tem um encontro marcado com um vizinho é Nogueira que está a esperar que chegue a hora para irem juntos a Missa do Galo, sendo este o enredo do seu conto. Nota-se também que em Machado o Menezes sai logo no início, e em toda a história está ausente, já no texto de Nélida ele só sai no final.
O leitor tem a impressão de que parece que Nélida quis fazer sua história se passar nos momentos que correspondem ao tempo em que o Menezes ainda está em casa, isto é, os primeiros momentos do conto de Machado. É como se a história de Nélida acabasse quando a de Machado ainda vai começar, pois o pontapé inicial do texto machadiano é: “Naquela noite de Natal foi o escrivão ao teatro.”
Estaria Nélida apontando com isso para o fato de que Menezes não estava vivendo a sua história? Quem sabe...

_______________
NOTAS

[1] Para o texto de Machado veja: Contos Escolhidos. São Paulo: Martin Claret,2001.
[2] Para o texto de Nélida veja: TELLES, Lygia Fagundes, etc e tall. Missa do Galo: Variações sobre o Mesmo Tema. Rio de Janeiro: José Olympio, 2008.
[3] Nélida coloca na boca de Menezes as seguintes palavras: “Com mais freqüência agora apóio na bengala encastoada a conversar com os amigos na esquina do ouvidor.”
[4] Pastiche: “Obra literária imitada suavemente de outra”. Novo dicionário Básico da Língua Portuguesa Folha/Aurélio. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1988.

3 comentários:

Marize Camara disse...

Olá, boa tarde!
Vitei seu Blog e estou a segui-lo. Gostaria de pegar seu banner para colocar no meu Blog, porém não consegui, acho que n sei como pegar, não tem codigo.
Se puder me ajudar agradeço.

Obrigada
Abraços

Marize Camara disse...

Ok Joelson Gomes, obrigada pela resposta, mas, eu queria colocar no mural deslizante de parcerias, ali não tem como colocar, já tentei e não apareceu a sua imagem.
Não tem importância, mesmo assim virei visitar seu Blog,achei interessante.
Abçs

José Antonio Martino disse...

LIVRO MEMORIAL DO BRUXO

Se você gosta de Machado de Assis, conheça o livro MEMORIAL DO BRUXO, uma excelente biografia do “bruxo do Cosme Velho”, contendo inúmeras informações, anedotas e curiosidades a respeito da vida e obra do escritor. Basta clicar no link abaixo:

http://clubedeautores.com.br/book/4900--MEMORIAL__DO__BRUXO

ou visite o blog:

http://machadodeassis-memorialdobruxo.blogspot.com

Obrigado pela divulgação!

NÃO PARE AQUI VÁ PARA OS TEXTOS MAIS ANTIGOS.