Páginas

Pesquisar este blog

EI VOCÊ VENHA SEGUIR TAMBÉM!

quarta-feira, 27 de junho de 2007

* AFINAL DEUS MANDA OU NÃO MANDA?


“Ninguém pode vir a mim se o Pai, que me enviou, não o trouxer; e eu o ressuscitarei no último dia” (Jo. 6:44).

A expressão livre-arbítrio vive na boca do povo. No meio secular recorre-se a ela para justificar uma pretensa liberdade humana, e no meio religioso – evangélico por incrível que pareça- ela é atribuída ao ser humano nas questões referentes a salvação eterna.
Na história da Igreja , defendendo esta hipótese de maneira mais forte, ou mais branda, surgiu o Pelagianismo (1), o arminianismo(2), e mais recentemente o Teismo aberto(3). As questões entre vontade humana e soberania divina sempre estiveram na ordem do dia.
Pois bem, com a definição de livre-arbitrio dada pelo nosso bom Aurélio na cabeça: “ possibilidade de exercer um poder sem outro motivo que não a existência desse poder”, ou seja, alguém fazer o que quiser, sem interferência nem da terra, nem do céu, ou de lugar algum, comecei a olhar o que a Bíblia fala sobre o assunto. Aí eu vi que, ou eu estou maluco, ou estou lendo a Bíblia errado, ou tem gente dando mais liberdade e cartaz do que o ser humano merece. Senão vejamos:


a) Nas Escrituras encontramos que o ser humano em seu estado natural, terreno, tem pelo menos cinco problemas que comprometem seriamente a sua liberdade.


1- Separação de Deus. Isto está subtendido em Gn. 3:23-24, como conseqüência da Queda no pecado, onde o casal é expulso do Éden, quebrando assim o pacto com Deus. Os profetas Isaias e Oséias são claros ao escreverem:


Mas as vossas iniqüidades fazem separação entre vós e o vosso Deus; e os vossos pecados encobrem o seu rosto de vós, para que vos não ouça” (Is. 59:2);

Mas eles transgrediram a aliança, como Adão; eles se portaram aleivosamente contra mim” (Os. 6:7).

2- Escravidão ao pecado. A prática do pecado teve um efeito danoso com respeito a natureza do ser humano, ela se tornou escrava, de modo que a partir da Queda ele já nasce pecador:

Eu nasci na iniqüidade, e em pecado me concebeu minha mãe” (Sl. 51:5);

entre os quais também todos nós andamos outrora, segundo as inclinações da nossa carne, fazendo a vontade da carne e dos pensamentos; e éramos, por natureza, filhos da ira, como também os demais”(Ef. 2:3).

Quando oferece seu corpo ao pecado o ser humano se torna aprisionado ao mesmo:

Não sabeis que daquele a quem vos ofereceis como servos para obediência, desse mesmo a quem obedeceis sois servos, seja do pecado para a morte ou da obediência para a justiça? ... e, uma vez libertados do pecado, fostes feitos servos da justiça” (Rm. 6:16,18);

prometendo-lhes liberdade, quando eles mesmos são escravos da corrupção, pois aquele que é vencido fica escravo do vencedor" (2Pd. 2:19).

Assim, ele precisa de um agente de fora que o liberte :

conhecereis a verdade, e a verdade vos libertará ... Replicou-lhes Jesus: Em verdade, em verdade vos digo: todo o que comete pecado é escravo do pecado ... Se, pois, o Filho vos libertar, verdadeiramente sereis livres” (Jo. 8: 32,34,36).

3- Inimizade contra Deus. O pecado que afasta e escraviza o ser humano, o faz inimigo de Deus:

Mas Deus prova o seu próprio amor para conosco pelo fato de ter Cristo morrido por nós, sendo nós ainda pecadores. Logo, muito mais agora, sendo justificados pelo seu sangue, seremos por ele salvos da ira. Porque, se nós, quando inimigos, fomos reconciliados com Deus mediante a morte do seu Filho, muito mais, estando já reconciliados, seremos salvos pela sua vida;” (Rm. 5:8-10).

Permanecendo sobre ele a ira do Senhor enquanto estiver neste estado :

Por isso, quem crê no Filho tem a vida eterna; o que, todavia, se mantém rebelde contra o Filho não verá a vida, mas sobre ele permanece a ira de Deus” (Jo. 3:36).

4- Cegueira de entendimento. O apóstolo Paulo, descrevendo os descrentes sem eu estado natiral, diz que eles tiveram os olhos cegos:

nos quais o deus deste século cegou o entendimento dos incrédulos, para que lhes não resplandeça a luz do evangelho da glória de Cristo, o qual é a imagem de Deus” (2Co.4:4).

Tornando-se assim incapazes de responder afirmativamente ao chamado do evangelho:


Ora, o homem natural não aceita as coisas do Espírito de Deus, porque lhe são loucura; e não pode entendê-las, porque elas se discernem espiritualmente”. (1 Co. 2:14).


O que também Jesus parece dizer:

Qual a razão por que não compreendeis a minha linguagem? É porque sois incapazes de ouvir a minha palavra ... Quem é de Deus ouve as palavras de Deus; por isso, não me dais ouvidos, porque não sois de Deus” (Jo. 8:43,47).

E assim ele está sem condições de fazer a vontade de Deus:

Por isso, o pendor da carne é inimizade contra Deus, pois não está sujeito à lei de Deus, nem mesmo pode esta ... Portanto, os que estão na carne não podem agradar a Deus” (Rm. 8:7-8).

5- Morte. Já em Gn 2:17: “mas da árvore do conhecimento do bem e do mal não comerás; porque, no dia em que dela comeres, certamente morrerás”, a conseqüência do pecado é anunciada: morte. O apóstolo Paulo descreve os que vivem na situação de pecado como mortos:

Ele vos deu vida, estando vós mortos nos vossos delitos e pecados, nos quais andastes outrora, segundo o curso deste mundo, segundo o príncipe da potestade do ar, do espírito que agora atua nos filhos da desobediência; entre os quais também todos nós andamos outrora, segundo as inclinações da nossa carne, fazendo a vontade da carne e dos pensamentos; e éramos, por natureza, filhos da ira, como também os demais” (Ef. 2:1-3).


O que ele também diz em Rm 6:23 e Cl.2:13.


A mesma coisa Jesus afirma:

O espírito é o que vivifica; a carne para nada aproveita; as palavras que eu vos tenho dito são espírito e são vida” (Jo. 6:63).


E textos como: Mt. 8:18-23; Jo. 3:1-6.

Bem, esta é a situação nada agradável do ser humano nas Escrituras. Em matéria de salvação ele tem liberdade? Não é o que parece.

b) Quando fala sobre a salvação a Bíblia diz, não que o ser humano a recebe por livre-arbitrio, mas por um chamado especial de Deus. Observe:

Todo aquele que o Pai me dá, esse virá a mim; e o que vem a mim, de modo nenhum o lançarei fora ... Ninguém pode vir a mim se o Pai, que me enviou, não o trouxer; e eu o ressuscitarei no último dia. Está escrito nos profetas: E serão todos ensinados por Deus. Portanto, todo aquele que da parte do Pai tem ouvido e aprendido, esse vem a mim ... E prosseguiu: Por causa disto, é que vos tenho dito: ninguém poderá vir a mim, se, pelo Pai, não lhe for concedido” (Jo. 6:37,44-45,65);

assim como lhe conferiste autoridade sobre toda a carne, a fim de que ele conceda a vida eterna a todos os que lhe deste ... Manifestei o teu nome aos homens que me deste do mundo. Eram teus, tu mos confiaste, e eles têm guardado a tua palavra ... É por eles que eu rogo; não rogo pelo mundo, mas por aqueles que me deste, porque são teus;” (Jo. 17: 2,6,9);

Os gentios, ouvindo isto, regozijavam-se e glorificavam a palavra do Senhor, e creram todos os que haviam sido destinados para a vida eterna” (At. 13;48);

Certa mulher, chamada Lídia, da cidade de Tiatira, vendedora de púrpura, temente a Deus, nos escutava; o Senhor lhe abriu o coração para atender às coisas que Paulo dizia" (At. 16:14);

Bendito o Deus e Pai de nosso Senhor Jesus Cristo, que nos tem abençoado com toda sorte de bênção espiritual nas regiões celestiais em Cristo, assim como nos escolheu, nele, antes da fundação do mundo, para sermos santos e irrepreensíveis perante ele; e em amor nos predestinou para ele, para a adoção de filhos, por meio de Jesus Cristo, segundo o beneplácito de sua vontade, para louvor da glória de sua graça, que ele nos concedeu gratuitamente no Amado ... nele, digo, no qual fomos também feitos herança, predestinados segundo o propósito daquele que faz todas as coisas conforme o conselho da sua vontade, ” (Ef. 1:3-6,11);

Não te envergonhes, portanto, do testemunho de nosso Senhor, nem do seu encarcerado, que sou eu; pelo contrário, participa comigo dos sofrimentos, a favor do evangelho, segundo o poder de Deus, que nos salvou e nos chamou com santa vocação; não segundo as nossas obras, mas conforme a sua própria determinação e graça que nos foi dada em Cristo Jesus, antes dos tempos eternos,” ( 2Tm.1:8-9).

A Bíblia é objetiva ao mostrar que na salvação a ação é completa de Deus. Deus faz tudo (2Co. 5:18-19), transforma (Jo. 1: 11-13, revela (Mt. 16: 16-17; 1Co. 2:14). Tudo isso está na Sua vontade:

Por aquele tempo, exclamou Jesus: Graças te dou, ó Pai, Senhor do céu e da terra, porque ocultaste estas coisas aos sábios e instruídos e as revelaste aos pequeninos. Sim, ó Pai, porque assim foi do teu agrado. Tudo me foi entregue por meu Pai. Ninguém conhece o Filho, senão o Pai; e ninguém conhece o Pai, senão o Filho e aquele a quem o Filho o quiser revelar” (Mt. 11:25-27).

Pois assim como o Pai ressuscita e vivifica os mortos, assim também o Filho vivifica aqueles a quem quer “(Jo. 5:21).

Nas Escrituras o evangelismo não é a causa da salvação, mas o meio pelo qual o ser humano recebe o arrependimento, a fé, e a vida eterna (At. 5:31; Rm. 10 17):

Entretanto, devemos sempre dar graças a Deus por vós, irmãos amados pelo Senhor, porque Deus vos escolheu desde o princípio para a salvação, pela santificação do Espírito e fé na verdade, para o que também vos chamou mediante o nosso evangelho, para alcançardes a glória de nosso Senhor Jesus Cristo” (2Ts. 2:13-14).

A causa da salvação, no ensino bíblico é sempre a graça (Ef. 2:8-10).

c) Portanto, quando a Biblia fala do processo da salvação, deixa toda liberdade de fora, e diz que ela ocorre de uma maneira completamente espiritual, ela é o produto do Novo Nascimento. (Jo. 3:1-6)

1- Nascer da á água. A água aqui é um claro símbolo da Palavra de Deus, que é o agente de limpeza.

Então, aspergirei água pura sobre vós, e ficareis purificados; de todas as vossas imundícias e de todos os vossos ídolos vos purificarei. Dar-vos-ei coração novo e porei dentro de vós espírito novo; tirarei de vós o coração de pedra e vos darei coração de carne” (Ez. 36:25-26).

Declarou-lhe Jesus: Quem já se banhou não necessita de lavar senão os pés; quanto ao mais, está todo limpo. Ora, vós estais limpos, mas não todos” (Jo. 13:10);


Vós já estais limpos pela palavra que vos tenho falado(Jo. 15: 3) Ver também Ef. 5:25-26.


Pois é da Palavra de Deus que os cristãos nascem:

Pois, segundo o seu querer, ele nos gerou pela palavra da verdade, para que fôssemos como que primícias das suas criaturas” (Tg. 1:18).

pois fostes regenerados não de semente corruptível, mas de incorruptível, mediante a palavra de Deus, a qual vive e é permanente” (1 Pd. 1:23).

E é a Palavra que gera filhos de Deus:

Porque, ainda que tivésseis milhares de preceptores em Cristo, não teríeis, contudo, muitos pais; pois eu, pelo evangelho, vos gerei em Cristo Jesus (1 Co. 4:15). Também Jo. 6:63. (4)


2- Nascer do Espírito, que é a aplicação da Palavra de Deus ao coração do ser humano, pelo Espírito Santo:

não por obras de justiça praticadas por nós, mas segundo sua misericórdia, ele nos salvou mediante o lavar regenerador e renovador do Espírito Santo, que ele derramou sobre nós ricamente, por meio de Jesus Cristo, nosso Salvador” (Tt. 3:5-6).

Tais fostes alguns de vós; mas vós vos lavastes, mas fostes santificados, mas fostes justificados em o nome do Senhor Jesus Cristo e no Espírito do nosso Deus” (1Co. 6:11, grifo meu).

H.J. Heijkoop observa:

A água lava o objeto sobre o qual é empregada com esse fim ... com seu poder purificador, apalavra de Deus, aplicada pelo Espírito Santo, produz uma nova vida no homem. Quando a consciência é atingida pela palavra, fica purificada juntamente com o coração, as próprias inclinações, os pensamentos e os atos, e o Espírito Santo gera uma nova vida. Não se trata de uma existência natural, mas por ser originada pelo Espírito Santo, de uma vida divina; de modo que um filho de Deus é nascido de Deus” .(5)

Conclusão:


Assim, o que se nota destas leituras, é que não há participação decisiva do ser humano nesse processo, pelo menos é isso que se depreende dos textos bíblicos. C.H. Mackintosh , escrevendo sobre isso diz:

Por fim, a regeneração é obra de Deus, desde o principio até o fim. Ele é que opera, o homem é o feliz privilegiado objeto dessa ação. Não se busca a sua colaboração numa obra que levará o selo de uma mão todo-poderosa. Deus operou sozinho na criação; de igual maneira deve executar sozinho a gloriosa obra da regeneração”. (6)

Acho que está na hora de a Igreja dar a glória devida ao Senhor, por tudo, até pela sua salvação. Na teologia bíblica não há espaço para autonomia humana, mas o que é ratificado é a soberania divina.

porque Deus é quem efetua em vós tanto o querer como o realizar, segundo a sua boa vontade”.(Fp. 2:13)

Precisamos voltar ao antigo evangelho, ensinado pelos protestantes da Reforma (7), e proclamar em alto e bom som, nestes tempos de humanismos e individualismos”: “Ao SENHOR pertence a salvação!” (Jn. 2:9)

___________________

NOTAS:

(1) Referente ao monge irlandês Pelágio (séc. V), ele supunha que o homem tem em si mesmo a capacidade de escolher entre o bem e o mal. Afirmava assim que o homem tem capacidade de avançar até a perfeição. Vd HÄGLUND, Beng. História da Teologia, 7ª ed. (Porto Alegre: Concórdia, 2003), pp.111-112.


(2) Referente a Jacobus Arminius (1560-1609), professor da universidade de Leiden, e defensor do livre-arbítrio humano. Vd. CERNI, Riicardo. História del Protestantismo, 2ª ed. (Edimburg: El Estandarte de La Verdad, 1995),p.127.


(3) Movimento teológico que afirma que o futuro está aberto e ninguém sabe o que vai acontecer, nem mesmo Deus, isto porque só se pode conhecer o que já existe, e como as ações futuras dos seres humanos ainda não existem, elas não podem ser conhecidas. Portanto, o ser humano é livre, podendo fazer o que quiser do seu futuro. Para uma critica do movimento vd. PIPER, John; TAYLOR, Justin; HELSETH, Paul Kjoss (eds). Teismo Aberto (São Paulo: Vida, 2006).


(4) Wayne Grudem escreve que quando Jesus fala de “nascer da água” a interpretação mais provável disso é que esteja referindo-se a purificação espiritual do pecado, e citando Ef. 5: 26 e Tt. 3:5, diz que é a Palavra de Deus que efetua este lavar. Teologia Sistemática (São Paulo: Vida Nova, 2000), pp. 591, 820.


(5) HEIJKOOP, H. L. O Espírito Santo, 2ª ed. (Lisboa: Depósito de Literatura Cristã, 1978), pp.23-24.


(6) C.H. Mackintosh, “O Que é o novo Nascimento?" Em Leituras Cristãs (Lisboa: São Paulo: Depósito de Literatura Cristã, 37/3),pp. 97-118.


(7) Para conhecer o pensamento dos principais reformadores sobre este assunto vd. GEORGE, Timothy. Teologia dos Reformadores (São Paulo: Vida Nova, 2000).

Joelson Gomes


2 comentários:

Helena disse...

Joelson, Deus manda!
Eu não aguento mais ouvir arminiano falando bobagem e ter que engolhir seco. Eles ensinan uma mentira e nós temos que nos calar com a verdade.
Valeu joelson.
Estelio.

DIZIMO disse...

Rapaz,este poste merece ser o conteúdo vitalício das pregações.Que DEUS te abênçõe Joelson sempre com essa sabedoria que voçê demostrou neste artigo.
Fica com DEUS...
Gilmar

NÃO PARE AQUI VÁ PARA OS TEXTOS MAIS ANTIGOS.