EI VOCÊ VENHA SEGUIR TAMBÉM!

PARA ACHAR UM ASSUNTO ESCREVA A PALAVRA AQUI

quarta-feira, 11 de junho de 2014

O QUE É A EXPIAÇÃO?



Por Joelson Gomes

INTRODUÇÃO:

O ser moral de Deus exige pagamento pelos erros cometidos contra sua santidade, é assim porque a justiça dEle não pode ser ultrajada e não ser satisfeita. As Escrituras são unânimes em afirmar que todos os seres humanos pecaram, erraram o alvo proposto pelo Senhor, e assim são injustos perante Ele (Rm. 3.23). Como subsistir diante de um Deus santo sendo um o homem um miserável pecador? A expiação é a resposta providenciada por Ele mesmo para esta pergunta. Por causa de seu grande amor com que nos amou, Deus resolveu enviar Seu único Filho para receber o castigo e morrer por nossos pecados. Quer aprender mais sobre isso? Então se prepare, está apenas começando.

I-                   Expiação; teorias.

Antes de se explicar o que é a expiação vamos conhecer algumas teorias propostas com respeito ao assunto, mas que são defeituosas.

a)      Teoria da influência moral. Esta visão sustenta que o importante foram os efeitos que a obra da cruz exerceu sobre os homens. A visão de Cristo morrendo nos comove ao arrependimento e a fé. A expiação se for encarada dessa maneira não tem efeito algum fora do ser humano, é real apenas na experiência da pessoa. Não podemos aceitar este tipo de conceito porque, mesmo que o impacto da cruz seja muito forte, ali Cristo realizou algo mais do que apenas um espetáculo para ter influencia moral. Ele morreu de fato por nossos pecados e não apenas como exemplo (Gl. 3.13).

b)      Teoria do resgate. Esta visão afirma que o resgate pago para nos redimir foi direcionado ao Diabo em cujo reino se encontravam as pessoas devido ao pecado.  Não podemos aceitá-la porque a Bíblia não coloca em nenhum lugar que os pecadores são devedores ao Diabo. Mas, afirmam que quando se peca o pecado é contra Deus (Sl. 51. 4), e é Ele quem exige o castigo pelos mesmos. Assim, a expiação oferecida por Cristo foi direcionada a Deus e a ninguém mais (Rm. 3. 21-26).
c) Teoria do exemplo. Esta visão, semelhante a teoria da influencia moral, diz que a morte de Cristo simplesmente nos propõe um exemplo de como devemos confiar em Deus e obedecer-lhe, mesmo que esta confiança e obediência nos levem a uma morte horrível, como levou Cristo. Não podemos aceitar isso porque não explica muitas passagens da Escritura que mostram a morte de Jesus um pagamento pelos pecados (1Co. 6.20; 7.23; 1Pd. 1.18-20). Além domais, esta teoria parece querer mostrar que o homem pode salvar a si mesmo apenas seguindo o exemplo de Cristo.
d)      Teoria governamental. Esta visão ensina que Deus não tinha que exigir um castigo pelo pecado, uma vez que Ele é onipotente poderia deixar de lado essa exigência e mesmo assim perdoar os pecadores sem o pagamento de uma pena.  O sacrifício de Cristo foi apenas para mostrar que Ele como legislador do universo, quando suas leis são infringidas alguma pena é exigida. Não podemos aceitar tal pensamento porque nele Cristo não paga exatamente a pena pelos pecados concretos de alguém, mas apenas sofre para mostrar que quando as leis de Deus são quebradas alguma pena acontece. É uma visão falha porque Jesus fez um sacrifício especifico pelos nossos pecados, e Deus sendo justo não poderia perdoar pecadores em exigir um castigo para os mesmo (Rm. 3. 21-26).

II-                Expiação; seu significado.

Para uma explicação mais clara do que seja expiação se faz necessário conhecer algumas palavras que a Bíblia usa para se referir a mesma.
a)      O Antigo Testamento.

1-      כָפַר (kapar). A forma nominal desta palavra significa “resgatar oferecendo um substituto”, remover o pecado ou a poluição (Gn. 32. 2-21, aqui Jacó aplacou a ira de Esaú, veja também outros usos desta palavra em Êx. 21.30; 29. 33-37; Lv. 9.7).
2-      פָדָה (pãdã). Esta palavra significa: resgatar, redimir, libertar, e está ligada a noção de comprar. Ela descreve o resgate do povo hebreu da escravidão (Dt. 7.8), e é usada no contexto em que Jônatas é resgatado das mãos de Saul (1Sm. 14.45).
3-      גַאַל (ga’al). Esta palavra significa: redimir, resgatar, comprar de volta. A palavra descreve a redenção feita por um parente chegado, como no caso de Rute que foi redimida por Boaz. O Ga’al é o que redime o membro da família de uma dificuldade ou perigo. Assim, Deus age como resgatador de seu povo (Jó 19.25; Sl. 19.14), é o redentor (Sl. 72.4; 103.4).
b)  O Novo Testamento. O pano de fundo para a descrição dos sofrimentos e morte de Cristo é encontrado no ensino sobre a expiação no Antigo Testamento. Os sacrifícios da Antiga Aliança eram sombras imperfeitas que receberam seu cumprimento no sacrifício único e perfeito do Filho de Deus. Existe uma palavra que devemos prestar atenção no Novo Testamento, pois ela nos ajudará a ter o significado preciso da expiação.
1-      Λντιλυτρον (antilutron). Esta palavra é a junção de duas expressões gregas que aparecem aqui: “Pois o próprio Filho do Homem não veio para ser servido, mas para servir e dar a sua vida em resgate (lutron) por (anti) muitos” (Mc. 10.45). Como você deve ter notado antilutron é a junção de anti (por) e lutron (resgate). É assim que ela aparece em 1Tm. 2. 6, e seu sentido é que:

“Jesus Cristo, pela sua vida e morte, libertou o homem de uma obrigação, de um compromisso e de uma divida que, de outra forma, teria sido forçado a pagar, livrando-o da prisão e da escravidão, mediante o pagamento do preço de compra da liberdade que ele mesmo (o homem) nunca poderia ter pago” (William Barclay). 

Este é o sentido de expiação. Porque teve que ser Cristo? Para resolver o problema do pecado, os sacrifícios expiatórios do Antigo Testamento eram insuficientes e imperfeitos (Hb. 9), por isso a morte de Jesus se tornou necessária. Ele foi o substituto adequando (Hb. 9. 11-10.18).
A solução do problema está em que o pecador passa a ser declarado justo, desde que a penalidade dos pecados seja paga por um substituto adequado. Desta forma, a expiação é uma manifestação da justiça de Deus (Rm.3.21). Todos pecaram (Rm. 3.23) e devem pagar o preço do pecado, que é a morte (Rm. 6.23), pois “sem derramamento de sangue, não há remissão dos pecados ( Hb. 9. 22). Assim Deus fez de seu único Filho, Jesus, um sacrifício propiciatório...e assim, por meio deste sacrifício, sua justiça foi satisfeita (Rm. 3.25) (Franklin Ferreira e Allan Myatt).

Aqui está em palavras claras o que é a expiação de Cristo. Ele morreu como resgate pelos pecados (2Co. 5.18-21).

III-             Expiação; geral ou especifica?

A pergunta que se faz é a seguinte: Cristo morreu pelo mundo todo (geral) ou sua morte foi especifica pelos salvos? Existem duas respostas para esta questão.

a)      Expiação geral. Esta é a visão dos chamados arminianos e da maioria das igrejas modernas, sustenta que Cristo ao morrer ofereceu um sacrifício pela humanidade toda. Aqueles que estão perdidos estão assim porque não aceitam a salvação oferecida por Ele. A morte de Cristo não teria garantido especificamente a salvação das pessoas, mas aberto uma porta para quem quisesse entrar e ser salvo. A porta está aí, se você quiser serve para você, senão quiser não serve. Ou seja, se nenhuma pessoa no mundo aceitasse a Cristo, Sua morte teria sido em vão.  Para eles as Escrituras ensinam que Cristo morreu por “todos”, pelo “mundo” (Is. 53. 6; Jo. 3.16; 1Tm. 2.1-6; Hb. 2.4; 1Jo. 2.1-2), e o evangelho é oferecido a todos,  e não para um grupo especifico.  Como poderia ser assim se Ele realmente não tivesse morrido por todos?
·  Antes de aceitar esta posição devemos perguntar: Cristo ao morrer apenas possibilitou a salvação? Leia Mt. 1.21; Lc. 19.10; 1Tm. 1.15, estas passagens mostram que a morte de Cristo não apenas abriu a porta da salvação, não só tornou possível, mas assegurou-a de fato.

b)                 Expiação especifica. Esta posição é a dos reformados e pode ser explicada de duas formas: logicamente e biblicamente.
1- Logicamente- Se Deus conhece todas as coisas, não seria lógico Ele mandar Cristo morrer por pessoas que Ele sabia que não seriam salvas. Isto porque quando a Bíblia fala da obra de Cristo, mostra que esta obra foi plena e eficaz. A Bíblia diz que Ele se ofereceu como substituto (Rm. 5.8;1Co. 15.3; Gl. 3.13), a quem Ele substituiu? Se respondermos “todos”, então todos estão salvos, livres do castigo dos pecados, pois Cristo já pagou e não pode ser cobrado de novo. Mas como nem todos estão salvos, temos que admitir que a Sua morte não foi por “todos”. Assim, explica-se: a morte de Cristo é suficiente para salvar a humanidade toda, mas ela é eficaz, objetiva apenas para os eleitos.
2-      Biblicamente. Existem muitas passagens bíblicas que afirmam que Cristo morreu apenas pelo “seu povo”, “pela igreja”, “pelas ovelhas”, “por muitos”. Não por toda a raça humana.

Consideremos Is. 53. 8-12 e o propósito da morte do Messias.

·         por causa da transgressão do meu povo foi ferido” (8);
·         ele verá o fruto do trabalho penoso de sua alma, e ficará satisfeito” (11);

Note que o Messias ficaria satisfeito com seu trabalho, isso só pode acontecer se a obra que Ele veio desempenhar for cabalmente concluída, se não for, não há satisfação.

·         por isso eu lhe darei muitos como a sua parte” (12);
·         levou sobre si os pecados de muitos” (12);

Considere também Mt. 1.21:
·         Ele salvará seu povo dos pecados deles”. Quem são estes chamados povo do Messias? O próprio Messias responde em Jo. 10.11, 14-15, 26. Jesus morreu pelas suas ovelhas. Se você comparar Hb. 9.28 com Ef. 5.25, verá que os “muitos” são a “Igreja”, “as ovelhas”.
·         Na mente de Cristo estava bem claro por quem Ele daria a vida (Jo. 17. 6,9), não teria cabimento Jesus morrer por todo mundo e pedir apenas pelos escolhidos.

Diante do que vimos só poderemos chegar a duas conclusões:
1-      Ou a morte de Cristo teve como objetivo apenas os eleitos de Deus, ou
2-      Cristo não alcançou seu objetivo, veio morrer para salvar um monte de gente que não vai ser salva, seu sucesso foi apenas parcial. E assim, os planos de Deus em dar a vida de Seu Filho para todos serem salvos foram frustrados, pois sabemos que nem todos se salvarão.

 Mas, glória a Deus que não foi assim. O propósito da expiação era a Sua Igreja, os eleitos, e ele foi concretizado. A obra de Cristo foi objetiva e concreta, Cristo com sua morte assegura a salvação de todos por quem morreu, comprando-os, resgatando-os (Cl. 1.21-22; Hb. 9. 12; 1Pd. 1.18-20; Ap. 5.9-10).

CONCLUSÃO

A morte de Cristo não apenas possibilitou a salvação, mas de fato salvou, comprou pecadores mortos para lhes dar a vida eterna. Nesse ato vemos o grande amor de Deus que é Aquele que exige a expiação e Ele mesmo é quem a provê para seus escolhidos. A cruz não retrata um Deus cruel matando seu Filho, mas retrata um Deus amoroso que estava em Seu Filho sofrendo pelos nossos pecados (At. 20.28; 2Co. 5. 18-20). Sim, Deus estava lá, porque Ele ama, e ama muito.

Na expiação temos confiança de que todos nossos pecados são deveras perdoados; temos certeza de que somos salvos porque não devemos nada mais a justiça de Deus; podemos pregar que todos os pecados, não importando quais sejam, podem ser perdoados através da expiação de Cristo. Somos confortados porque não precisamos ter medo da ira de Deus, pois pela morte de Cristo temos livre acesso a Ele (Hb. 10. 19-22).

Nenhum comentário:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
NÃO PARE AQUI VÁ PARA OS TEXTOS MAIS ANTIGOS.