Páginas

Pesquisar este blog

EI VOCÊ VENHA SEGUIR TAMBÉM!

quinta-feira, 1 de outubro de 2009

O LIVRO NEGRO DA IGREJA ROMANA


Nome: O Livro Negro do Cristianismo
Autor: JACOPO FO / SERGIO TOMAT / LAURA MALUCELLI
Nº de páginas: 262
Tamanho: 300 Kb
Formato: rar/doc

Em 1º de junho de 1307, frei Dulcino, líder da seita cristã dos apostólicos, foi queimado vivo em Vercelli, na Itália. Acusado de heresia, antes de ser atirado a fogueira teve a carne arrancada com alicate quente, o nariz quebrado e os órgãos genitais mutilados. Sua história é uma entre as tantas narradas em O livro negro do cristianismo, um vasto panorama das atrocidades praticadas pela Igreja Católica ao longo de dois mil anos.Aqui o catolicismo é analisado sem restrições: da época de seu reconhecimento pelo imperador romano Constantino, no século IV, até a polêmica omissão da Igreja diante do movimento nazifascista em plena Segunda Guerra Mundial, todos os pecados cometidos em nome de Deus são listados em detalhes. A extensa relação de crimes inclui enriquecimento ilícito, tortura e milhares de mortes.Vividos pelos primeiros cristãos, os ensinamentos de Jesus Cristo deram lugar a rígidos dogmas impostos aos fiéis com o passar do tempo. .Qualquer idéia contrária ao que determinava o papa era sinônimo de heresia, e o resultado dessa postura intolerante são acontecimentos tão importantes quanto lamentáveis: a perseguição aos judeus, o genocídio nas Cruzadas, os suplícios promovidos pela Santa Inquisição, o massacre dos huguenotes, o apoio ao regime escravocrata na América católica, entre outros. Uma obra para quem deseja conhecer os obscuros porões da instituição mais poderosa de nossa era.


Postagem retirada do Site LIVRO DE GRAÇA

2 comentários:

Stefano disse...

fotos igreja e nazismo!
http://picasaweb.google.com/steve.daniele

Paulo Roberto Langwinski disse...

Igreja e estado: cada macaco no seu galho. A história - e por consequencia o referido livro, imagino - possuem exemplos de sobra de que a mistura é trágica.

NÃO PARE AQUI VÁ PARA OS TEXTOS MAIS ANTIGOS.