Páginas

Pesquisar este blog

EI VOCÊ VENHA SEGUIR TAMBÉM!

sexta-feira, 7 de agosto de 2009

OS "ANÇIÃOS" DO ATEU FHC DEFENDEM ORDENAÇÃO DE MULHERES AO MINISTÉRIO


Os "Anciãos" querem a ordenação de mulheres nas igrejas

Campanha dos 12 "apóstolos" da Nova Ordem Mundial critica igrejas por exclusão de mulheres da liderança masculina.

O bilionário Richard Branson e Nelson Mandela, um conhecido marxista pró-aborto e pró-homossexualismo, lançaram uma campanha internacional contra as igrejas que se recusam a ordenar mulheres. Para sua campanha, eles convocaram os "Anciãos", um grupo formado por doze ex-líderes mundiais que trabalham juntos para promover a paz e os "interesses comuns da humanidade", e para lutar contra o sofrimento humano.

Os "Anciãos" (http://www.theelders.org/) incluem o ex-presidente do Brasil Fernando Henrique Cardoso; o ex-secretário geral da ONU Kofi Annan; a ex-primeira ministra irlandesa, alta comissária de direitos humanos da ONU e feminista pró-aborto, Mary Robinson; a ex-primeira ministra da Noruega, Gro Brundtland; Nelson Mandela; o ex-presidente americano Jimmy Carter; e outros. O presidente dos "Anciãos" é o arcebispo anglicano Desmond Tutu.

Na campanha, os "Anciãos" atacam a Igreja Católica, a Convenção Batista do Sul dos EUA e todas as outras igrejas que se recusam a permitir que mulheres se tornem pastoras, padres ou bispas. Na sua participação, o "Ancião" Jimmy Carter comenta que abandonou a Convenção Batista do Sul porque as mulheres são "proibidas de trabalhar como diaconisas, pastoras ou capelãs no serviço militar".

"Cremos que a justificação de discriminação contra as mulheres e meninas na base da religião ou tradição, como se tivessem sido prescritas por uma Autoridade Mais Elevada, é inaceitável", diz uma declaração escrita pelos Anciãos.

"De forma especial, exortamos os líderes religiosos e tradicionais a darem exemplo e mudarem todas as práticas discriminatórias dentro de suas próprias religiões e tradições", diz a nota divulgada, referindo-se à proibição de mulheres ocuparem posições de chefia nessas religiões e tradições.

Carter: "não" para as igrejas cristãs que não ordenam mulheres, mas "sim" para os grupos muçulmanos que maltratam mulheres

Carter é o "Ancião" que mais tem escrito sobre esse assunto. Escrevendo numa coluna no jornal inglês Observer, a qual já foi reproduzida em outras publicações, Carter afirma: "Durante os anos da igreja primitiva as mulheres atuavam como diaconisas, pastoras, bispas, apóstolas, mestras e profetisas. Só foi a partir do quarto século que líderes cristãos dominadores, todos homens, torceram e distorceram as Sagradas Escrituras para perpetuarem suas posições de autoridade dentro da hierarquia religiosa".

Carter liga a recusa de ordenar mulheres como pastoras, padres e rabinas ao abuso contra as mulheres, dizendo que a decisão de limitar o ministério aos homens "fornece a base ou justificação para boa parte da geral perseguição e abuso contra as mulheres no mundo inteiro".

Embora Carter seja muito duro com os evangélicos, católicos e judeus, ele porém não demonstra semelhante dureza com os muçulmanos. Recentemente, ele agiu amigavelmente com grupos terroristas islâmicos como o Hamas, que querem a destruição de Israel e têm políticas horríveis de tratamento das mulheres.

Ele abandonou a Convenção Batista do Sul por causa da questão da ordenação feminina, mas ele tem dificuldade de evitar os grupos muçulmanos terroristas por causa dos maus-tratos e até mesmo "assassinatos de honra" contra mulheres. Acerca do aborto, ele disse: "Pessoalmente, sou contra o aborto, mas as mulheres têm o direito". Embora sua ex-Convenção Batista do Sul não tenha simpatia alguma pelo aborto legal e pelos maus-tratos e "assassinatos de honra" contra mulheres, esta é basicamente a opinião dele:

* A liberdade feminina tem de envolver acesso ao aborto e a todos os cargos de liderança masculina.

* O Hamas, que comete atos terroristas contra Israel e crimes contra as próprias mulheres muçulmanas, deve ser respeitado e não deve ser tratado como um grupo terrorista.

* As igrejas evangélicas e católicas e as sinagogas que não ordenam mulheres devem ser boicotadas...


"Ancião" ateu marxista repreende igrejas


Os 12 "Anciãos" atacam o que eles consideram discriminação religiosa às mulheres em vídeos produzidos para a campanha condenando a exclusão das mulheres dos espaços masculinos de liderança nas igrejas. O "Ancião" Fernando Henrique Cardoso diz em seu vídeo: "A idéia de que Deus está por trás da discriminação é inaceitável".

Embora seu perfil como ateu marxista e defensor da maconha o distanciem do Cristianismo, o "Ancião" FHC está empenhado na eliminação dos obstáculos para a inclusão total das mulheres na liderança das igrejas cristãs.

O envolvimento de um ateu marxista na repreensão às igrejas é uma mudança drástica nas políticas globais voltadas para as mulheres. Essas políticas, que há décadas exigem a abertura de todos os espaços do mercado de trabalho para as mulheres, sempre se limitaram à esfera secular.

Conferência Mundial da ONU sobre as Mulheres

Um dos principais objetivos da ONU, por exemplo, é empurrar todas as mulheres ao mercado de trabalho, principalmente os cargos de liderança. A 4ª Conferência Mundial sobre as Mulheres, realizada pela ONU em Beijing, China, de 4 a 15 de setembro de 1995, deu grande destaque à formulação de políticas e leis nacionais e internacionais para empurrar as mulheres casadas ao mercado de trabalho. Muitas outras conferências e documentos da ONU colocam a mulher como prioridade de suas políticas.

O relatório final dessa conferência da ONU recomenda de modo enfático:

"Os governos têm de adotar medidas especiais para garantir que as moças tenham as qualificações necessárias para participar de forma ativa e eficaz de todos os níveis de liderança social, cultural, política e econômica". (Relatório oficial da 4ª Conferência Mundial da ONU sobre as Mulheres, Beijing, China, 4 a 15 de setembro de 1995, Capítulo II:40)

"Os governos têm de desenvolver treinamento e oportunidades de liderança para todas as mulheres, incentivando-as a assumir papéis de liderança..." (Relatório oficial da 4ª Conferência Mundial da ONU sobre as Mulheres, Beijing, China, 4 a 15 de setembro de 1995, Capítulo IV:83.[h])

Aparentemente, a intenção da ONU é apenas promover o bem-estar das mulheres. Contudo, todas as políticas da ONU na área de educação, saúde e trabalho para as mulheres estão ligadas a medidas contraceptivas, isto é, medidas que afastam as mulheres do lar e de uma fertilidade normal, livre e saudável.


"Ancião" Tutu: ordenação de mulheres e homossexuais

Hoje, os "Anciãos" exigem das igrejas ordenação das mulheres, sob a alegação de que não ordená-las como pastoras, padres ou rabinas equivale à perseguição e abuso contra elas. No que depender de Desmond Tutu, o cabeça dos "Anciãos", as exigências da Nova Ordem Mundial sobre as igrejas não ficarão limitadas ao feminismo, pois recentemente Tutu comparou a ordenação de homossexuais à ordenação de mulheres, dizendo: "Eu acharia impossível ficar parado quando pessoas estão sendo perseguidas por algo sobre o qual elas nada podem fazer - sua orientação sexual".

O trabalho das mulheres casadas, seja como pastoras ou qualquer outra profissão, reduz a fertilidade delas e o tamanho de suas famílias. De forma igual, o envolvimento dos homens no homossexualismo resulta em menos fertilidade masculina na sociedade: menos homens se casando com mulheres e gerando filhos no casamento. Ambos os exemplos atendem aos interesses da elite que almeja a redução da população mundial.

O discurso de Tutu é: não abrir o púlpito para mulheres e homossexuais é abuso contra mulheres e homossexuais e é, segundo ele, a causa da perseguição e violência contra as mulheres e os homossexuais.

As igrejas estão assim recebendo repreensões e ordens de religiosos ultra-liberais como Tutu e até de ateus como Fernando Henrique Cardoso, para que se adaptem à Nova Ordem Mundial. Depois de muitas décadas de ações dos planificadores sociais da ONU e dos EUA, agora nem as igrejas estão conseguindo ficar isentas das transformações globais exigidas pelos 12 "apóstolos" da Nova Ordem Mundia.

Se as mulheres podem agora trabalhar como soldadas, generais militares e ocupar muitos outros cargos de liderança masculina, por que elas deveriam ser proibidas de ser pastoras, padres e rabinas? Se as religiões ficarem isentas da inclusão das mulheres em sua liderança, o NSSM 200 e os planos da ONU não poderão ser totalmente e eficazmente implementados nas sociedades. Para que a agenda deles de nascimentos reduzidos avance, todas as mulheres têm de ter acesso a todas as posições de liderança, inclusive religiosas.

Quem resistirá aos "Anciãos"?

Quer conscientemente ou não, o estilo de vida e a mentalidade de muitas igrejas e cristãos já sucumbiram sob os imensos feitiços e ilusões da Nova Ordem Mundial inspirada e criada por Annie Besant, Margaret Sanger, NSSM 200, a Federação Internacional de Planejamento Familiar e a ONU. Como conseguirão eles agora resistir aos "Anciãos" da globalização?

Publicado originalmente com o título de "Anciãos" da globalização querem ordenação de mulheres como pastoras, padres e rabinas.

Com informações do artigo "Jimmy Carter, Kofi Annan e outros ex-presidentes criticam pesadamente as igrejas cristãs por não ordenarem mulheres", de John-Henry Westen & Patrick B. Craine.

FONTE: Mídia sem Máscara

Um comentário:

vemver.tv disse...

Graça e Paz caro Pr. Joelson,

o seu blog está no meu blogroll, você poderia colocar o meu no seu também?

abraços, Pr. Rupert

NÃO PARE AQUI VÁ PARA OS TEXTOS MAIS ANTIGOS.