VISITE OS BLOGS DESSE PESSOAL, DIVULGUE E VENHA SEGUIR TAMBÉM

PARA ACHAR UM ASSUNTO ESCREVA A PALAVRA AQUI

Carregando...

terça-feira, 17 de fevereiro de 2009

A MÚSICA DE ADORAÇÃO NAS IGREJAS EVANGÉLICAS.


Por Lucivaldo Medeiro Brandão
Para se compreender e entender a música usada no louvor de outras denominações evangélicas, é interessante analisar-se o estudo da transformação pelas quais passaram as formas musicais sacras na América, das influências que sofreram e das várias maneiras como foram praticadas. Dessa maneira se poderá entender porque a maioria dos evangélicos louvam a Deus da maneira como fazem através da música. Serão examinados neste trabalho os fatores principais que influenciaram a música sacra na América que, por sua vez, também influenciou uma grande parte do mundo na maneira de louvar.


CAPÍTULO I

O CONTEXTO HISTÓRICO

Os primeiros Anos

No século XVI chegaram os primeiros colonos às terras da América, isto é, os antepassados dos americanos, os peregrinos (1). Trouxeram consigo dois livros importantíssimos: a Bíblia da versão do Rei Tiago e o hinário de Salmos da Baía (2)(Bay Psalm Book). Cantavam salmos puritanos, hinos metrificados com pouca música; mesmo essas poucas sofriam devido a uma execução desconexa, porque eram passadas a gerações sucessivas, em grande parte através da tradição oral. Coros e instrumentos foram basicamente desconhecidos até 1700. O uso exclusivo de salmos nesses dias, era devido à influência de Calvino aos protestantes de fala inglesa. Foi uma tentativa de voltar a uma adoração "bíblica", livrando-se das adições pós-bíblicas da igreja medieval. Calvino dizia que "só a Palavra de Deus era adequada para ser usada no louvor a Deus". É certo que durante os séculos seguintes exerceu-se constante pressão para uma reforma.


A Chegada dos Pietistas Alemães

No início do século XVIII, chegaram alemães pietistas trazendo com eles suas tradições de hinologia morávia. O pietismo é um movimento que floresceu no fim do século XVII e início do século XVIII na igreja Luterana Alemã. O movimento clamava para a Igreja sair da sua obsessão, com um seco escolasticismo, um formalismo frio e uma ortodoxia morta, dando ênfase a "uma religião do coração" experimental, isto é, enfatizando a piedade pessoal, a experiência pessoal com Deus.

" Esse movimento inspirou um dilúvio de hinologia subjetiva, e grande parte dos hinos era musicada em métrica tripla, de caráter de dança, em agudo contraste com o estilo coral mais antigo, mais rude ."


Os Reavivamentos

As primeiras manifestações de reavivamento foram entre as Igrejas Holandesas Reformadas de Nova Jersey na década de 1720.


O Primeiro Grande Reavivamento

O primeiro reavivamento ocorreu entre os anos de 1730 a 1750. Seus principais líderes foram: Jonathan Edwards, congregacionalista calvinista e George Whitefield, avivalista calvinista, ambos pregadores da predestinação.

A norma de louvor através de salmos metrificados durou até o avivamento de Jonathan Edwards. Em meados do século XVIII, George Whitefield quebra a barreira da inflexível salmologia. Popularizou os hinos do ministro congregacional Isaac Watts ( congregacioanlista), "Pai da hinologia inglesa", em suas reuniões nas colônias americanas. Foram responsáveis por quebrar a servidão da salmologia, e por introduzir "hinos compostos por homens"; por seus atos, Watts concordou com Lutero - visto que era seu louvor, ele podia ser expresso com suas próprias palavras. É bom lembrar que quando Lutero colocava letras sacras em músicas folclóricas, o contexto histórico daquela época girava em torno do Teocentrismo e o Iluminismo ainda não tinha florescido. Batistas, Congregacionalistas e alguns Presbiterianos depressa se apossaram da tradição de Watts, enquanto que os Episcopais (e certos presbiterianos) continuaram apegados aos salmos até muito depois.


O Segundo Grande Reavivamento

Ocorreu entre os anos de 1790 a 1830. Um de seus principais líderes foi o ex-advogado Charles G. Finney - pregador presbiteriano com pronunciadas inclinações arminianas em termos teológicos. Com sua ênfase Wesleiana, o "despertamento" de Finney parece ter sido o início de um ministério evangelístico musical claramente definido.


Os Acampamentos

Em 1800 começou o movimento dos acampamentos, com o rompimento de avivamento em um acampamento ao ar livre em Caine Ridge, condado de Logan, estado de Kentucky nos Estados Unidos. A música que caracterizava os acampamentos era muito simples, com muita repetição, e evidentemente muito emocional e freqüentemente improvisada. Muitos dos cânticos dos acampamentos também usavam melodias seculares.

A obra do Espírito Santo era evidenciada pelo número de pessoas que caíam literalmente no chão, sobre a influência da interna emoção da convicção do pecado. Algumas pessoas eram também levadas a rolar, estremecer, dançar e até "latir". Pode-se compreender que a música dos acampamentos fosse espontânea, e freqüentemente improvisada .


CAPÍTULO II

O DESENVOLVIMENTO


Muitos são os fatores que influenciaram no desenvolvimento da música sacra americana, para ela ser o que é hoje. Além dos fatores apresentados, é bom apresentar mais alguns.


Os Morávios

Um dos mais importantes grupos dos pietistas alemães eram os morávios. Influenciaram demais a música sacra americana. Como pietistas, os morávios com sua música artística e sofisticada da Europa, se afastaram bastante do padrão normal, e a desenvolveram até alcançar novas alturas nesta terra de liberdade. Foram influenciados pela tradição reavivamentista do século XIX, mostrando grande interesse nos "espirituais" da tradição dos acampamentos e nos novos "hinários evangelísticos" que apareceram com o segundo despertamento de Finney.


A Escravatura

Devemos lembrar que a escravatura era uma realidade naqueles dias e o negro apareceu mais tarde junto com o branco nas reuniões campais reavivamentistas. Ao lado desses movimentos, reavivamentos e acampamentos, ia se criando uma abundante hinologia de caráter popular, outra corrente de caráter diferente ia tomando forma entre os negros dos Estados Unidos, e influenciando a música religiosa, a música de dança e a própria música erudita moderna da América.

Os negros capturados na África tinham sua música própria, suas danças, seus ritos religiosos pagãos e, muito importante, suas escalas e seus ritmos próprios.

" Com o tempo, em sua maneira de cantar, participavam dos acampamentos reavivamentistas. Influenciaram e foram influenciados ."


O Hino Evangelístico

As escolas de canto também foram fortemente influenciadas pelos reavivamentos. Começando em 1840, os hinos para a escola dominical assumiram a mesma forma musical que os cânticos dos acampamentos: melodia cativante, harmonia simples e muito ritmo, além de um inevitável refrão. Mais tarde, esses hinos para crianças foram adotados pelos adultos, e nasceu o "hino evangelístico" ou "canção evangelística". Esses hinos, também chamados "hinos de experiência" continuaram a aparecer no contexto evangélico por todo o mundo. Isto por um motivo: os hinos americanos deste estilo foram traduzidos para todas as línguas protestantes. Identificavam os hinos como sendo objetivos (a respeito de Deus, o "objeto dos nossos pensamentos"), e hinos evangélicos como subjetivos (a respeito do objeto mental que é o "sujeito" da experiência do cantor com Deus). É dificil exagerar o sucesso que estes cânticos, contando experiências, escritos por amadores em teologia e música, tiveram diante do público americano. Permaneceram na vida da comunidade e especialmente das suas igrejas.


Movimento Litúrgico

No decorrer do século XIX, a avassaladora maioria dos freqüentadores das igrejas evangélicas estava preocupada com a hinologia popular que surgiu das improvisações dos acampamentos e dos "espirituais" que eram cantados com melodias folclóricas seculares. Nasce então um movimento dentro das confissões anglicana e luterana no século XIX, chamado movimento litúrgico, conclamando um retorno às tradições primitivas em termos de teologia e prática de adoração. Esta tendência foi intensificada no século XX.


CAPÍTULO III

A MÚSICA SACRA CONTEMPORÂNEA


Não se passou muito tempo, e as igrejas litúrgicas e os grupos denominacionais tradicionais nos Estados Unidos já estavam cantando músicas sacras com melodia folclórica secular, em uma tentativa de tornar os cultos de adoração mais expressivos e festivo. A música sacra/profana foi anunciada como "renovação em comunicação", pelas igrejas cuja freqüência e sustento financeiro estavam decrescendo, e onde era notável a ausência dos jovens. Embora muitos dos grupos calvinistas e wesleianos na Europa e Grã-Bretanha tenham seguido os padrões tradicionais de adoração, os seus sucessores americanos - presbiterianos, metodistas, reformados - manifestaram a tendência de adotar a liberdade dos Congregacionalistas e batistas não litúrgicos. Para alguns deles, isto significou uma forma "reavivamentista".


Primeiros Sinais da Música Sacra Contemporânea

É bom lembrar que naqueles dias, eram escritos hinos chamados "liberais" , isto é, hinos cujos autores eram muitas vezes unitarianos, alguns transcendentalistas, e outros "livres pensadores". Em geral esse grupo era teologicamente liberal, inclusive seus hinos, muitos deles, eram poemas "teístas e humanitários" refletindo os males da época: escravidão, intemperança e guerra. No fim do século XIX, com o advento da "Teologia Liberal" e do "Evangelho Social", os hinos também passaram a refletir esses preceitos. Uma das primeiras expressões da nova música de adoração contemporânea foi a Missa Folclórica do século XX, de Geoffrey Beaumont, que apareceu em 1960. Como membro do Light Music Group, da igreja da Inglaterra, ele declarou resumida e ousadamente a sua filosofia: "A adoração deve incluir não apenas a música "atemporal" dos mestres compositores, mas também os estilos populares da época, que fazem parte da vida do povo de maneira tão notável" .

Na Inglaterra, por volta da década de 1960, começaram a aparecer bandas de rock evangélico semelhantes aos Beatles e Rolling Stones, com o principal objetivo de comunicar o evangelho expressando uma linguagem que fosse compreensível para o jovem.


Atualmente

Os evangélicos se identificam mais com os pietistas, reavivamentistas e movimentos de igrejas livres. Podemos até chamar de "Novo Pietismo" a maneira como louvam a Deus. " O que identificamos como 'celebração' hoje em dia pode ser parcialmente uma reação contra o movimento litúrgico de ontem."

É importante observar que o hino congregacional cantado nas igrejas evangélicas, tanto tradicionais como livres e até as pentecostais, receberam uma forte influência de todos esses fatores já apresentados. O estilo sacro/profano, além de ser usado como meio evangelístico para atrair as pessoas, também é usado no hino congregacional na adoração dos crentes. Não é difícil encontrar uma igreja evangélica onde não tenha uma bateria e que não cante músicas em diversos estilos: baião, samba, rock, pop, sertanejo, blues e até heavy metal.

No Brasil é bastante evidente o contraste entre os quartetos e conjuntos evangélicos tradicionais e os recentes grupos musicais jovens que têm usado estilos muito populares na composição da música evangélica jovem.


Principais Características da Música de Louvor Contemporânea


1) Perda do discernimento entre sacro e profano.

2) Saque de músicas profanas para uso religioso, com o intuito de tornar o evangelho mais acessível e fácil ao nível do gosto popular.

3) Falso conceito de evangelho. Pregam que Jesus nos livra da obediência à lei de Deus em vez de nos dar a vitória sobre o pecado.

4) Músicas baseadas nas emoções, subjetivas, com ritmos que servem para levar ao êxtase.


"Umas das maiores descobertas científicas foi a de que a música penetra na mente humana através daquela porção do cérebro que não depende da vontade, da parte consciente, mas estimula, por meio do tálamo, a sede de todas as emoções e sentimentos, invadindo o centro cerebral automaticamente, quer a pessoa queira ou não."

A partir daí podemos entender o porquê da conversão baseada em emoções e sem a aceitação racional de doutrinas.


Problemas atuais

Uma das maiores desculpas dada pela maioria dos evangélicos em relação à música, é a urgência com que o evangelho deve ser pregado aos que não conhecem a Cristo, e a melhor forma é envolvê-las com músicas sacras/seculares. Pode-se verificar a mais completa invasão de formas seculares na expressão religiosa já experimentada na história. Os peritos mudam os estilos musicais usados na igreja quase mensalmente, para conservarem-se atualizados em relação às últimas tendências da música popular secular.


CONCLUSÃO

Através deste trabalho chegou-se à conclusão de que Satanás tem usado sua influência não só apenas na música secular, mas exerce também grande influência na própria música usada na igreja.

A criatividade oferecida pelas novas formas pode levar a uma perda significativa de identidade, o que já aconteceu com algumas Igrejas. Finalmente, o "novo prazer" pode levar a uma adoração hedonista, que é outra forma de idolatria - adorando a experiência, e não a Deus.

"Portanto, quer comais, quer bebais ou façais outra coisa qualquer, fazei tudo para a glória de Deus." I Cor. 10:31.


Edição: Joelson Gomes


NOTAS DO EDITOR:

__________

1- Para detalhes sobre os Peregrinos acesse: http://historiacongregacional.blogspot.com/2008/10/os-peregrinos-e-suas-crenas.html

2-O The book Salmos Bay, foi o primeiro livro a ser publicado nos Estados Unidos, e a Pilgrim Press (Editora hoje dirigida pela United Church of Christ, maior denominação congregacional americana), a mais antiga editora. Veja: http://historiacongregacional.blogspot.com/2008/09/os-congregacionais-tradio-de-pioneiros.html


OBSERVAÇÃO: O editor do blog não concorda com todas as conclusões do autor do artigo, mas o publicou pela sua relevância e maneira simples que apresenta o desenvolvimento musical evangélico. Não acredito em grupo evangélico sendo usado por Satanás, mas acredito sim que a música evangélica contemporânea está muito aquém do que deveria ser, é uma música pobre e sem conteúdo na maioria das vezes. Não tem levado as pessoas a reflexão, mas, mais ao prazer. Existe sim música cristã contemporânea de qualidade, mas quase não se ouve as mesmas nas igrejas e cultos. Existe desconhecimento bíblico e doutrinário sendo transmitido nas músicas de hoje. Urge uma releitura bíblica do chamado louvor contemporâneo.

3 comentários:

Hellen Taynan disse...

Eu concordo com o autor da edição do blog, né? (risos) Embora o editor seja muito perfeccionista e exigente, é muito justo e coerente em éxpor sua opinião.

Sergio disse...

O Autor pontua muito bem a trajetória do louvor na história da igreja, porém, em sua conclusão, força uma ortodoxia que ignora os avivamentos que, tirando os excessos, foram autênticos, na vida da igreja. Quando o autor cita Lutero usando a melodia secular, não é preciso justificar pois, o que ele fez foi o que os salmistas faziam, a saber, mesmo em sua liturgia usavam suas experiências de vida como sofrimentos e glórias em suas construções musicais.
Concordo que o louvor deve celebrar a realidade de uma vida de fé como produto dela e, com certeza, reflete a vida cristã.
A liberdade é sempre bem vinda sem, contudo, apelar para as extravagâncias.
Parabéns pelo artigo.
Sergio Sena.

GRAÇA PLENA disse...

Sérgio Obrigados pelas palavras. Acho que foram perinentes, por isso o motivo de minha observação no final. Continue à vontade nessa "casa", Deus lhe abençoe.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
NÃO PARE AQUI VÁ PARA OS TEXTOS MAIS ANTIGOS.